Tempo
|
A+ / A-

Cáritas. Fim da "almofada" das moratórias e do lay-off vai agravar pobreza

22 jun, 2021 - 18:30 • Pedro Mesquita , com redação

Rita Valadas reage ao estudo da Universidade Católica, segundo o qual 400 mil pessoas caíram abaixo do limiar da pobreza em Portugal devido à crise provocada pela pandemia.

A+ / A-
Rita Valadas reage a estudo sobre porebza
Rita Valadas reage a estudo sobre porebza
Ouça aqui a entrevista a Rita Valadas

O número de pessoas abaixo do limiar da pobreza irá crescer, e muito, em Portugal quando desaparecerem por exemplo as "almofadas" do lay-off e das moratórias de crédito, alerta a presidente da Cáritas.

Rita Valadas reage, em declarações à Renascença, ao estudo da Universidade Católica, segundo o qual 400 mil pessoas caíram abaixo do limiar da pobreza em Portugal devido à crise provocada pela pandemia.

A presidente da Cáritas destaca "a redução do rendimento mesmo abaixo do limiar da pobreza" e a perda do rendimento anual na ordem dos 27%.

"São os grupos mais frágeis e vulneráveis. Esta crise que era, aparentemente, democrática, porque atingia todos, é uma questão de saúde, tem reflexos claramente assimétricos e aprofunda as desigualdades", alerta Rita Valadas.

A responsável considera que a pandemia veio colocar mais dificuldades ao combate à pobreza estrutural.

"Isto foi ainda almofadado pelas medidas criadas pelo Governo. Nós tememos o retorno à realidade, que é o momento em que cada uma destas medidas vai sendo desinvestida. Já sabíamos que isto ia acontecer e, a menos que haja uma retoma económica muito forte, que permita que alguns desempregados encontrem emprego, um meio de subsistência alternativo que lhes permita o equilíbrio, vai ser muito difícil. Se aparentemente ainda existem mais situações destas que estão a ser apoiadas pelos lay-offs e pelas moratórias, este número ainda pode ser muito aquém daquilo que nós vamos ter", admite a presidente da Cáritas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+