Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Marta Temido admite mais restrições: "Precisamos de ganhar tempo para controlar novas variantes"

21 jun, 2021 - 15:50 • Redação

A variante Delta, associada à Índia, vai ser predominante em todo o país e é preciso acelerar a vacinação, testar e continuar a adotar medidas de segurança sanitária, afirma a ministra da Saúde.

A+ / A-

Veja também:


A Covid-19 está a aumentar em Portugal e é preciso "ganhar tempo" para que as novas variantes, como a Delta, "possam ser mais controladas", afirma a ministra da Saúde, Marta Temido.

Em declarações aos jornalistas à margem de um evento no Museu da Farmácia, em Lisboa, Marta Temido diz que a variante Delta, associada à Índia, vai ser predominante em todo o país e é preciso "ganhar tempo".

A ministra da Saúde admite novas restrições, como a cerca imposta durante o fim de semana na Área Metropolitana de Lisboa (AML).

Portugal regista esta segunda-feira mais três mortes e 756 novos casos de Covid-19, avança o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O país está em cima da linha da zona vermelha da matriz de risco.

A ministra diz que o atual momento pandémico do país é preciso fazer três coisas em paralelo: "continuar a acelerar a vacinação", garantir o acesso a testes Covid "e que sejam utilizados pelas pessoas, para saberem qual é a sua situação e poderem atuar em conformidade".

Em terceiro lugar, "que algumas medidas de contenção do risco de transmissão sejam utilizadas".

"Tivemos uma delas neste fim de semana em vigor na AML e vamos continuar a avaliar a situação e o que é necessário fazer em função destes três instrumentos", explica a governante.


Marta Temido afirma que "Portugal está em contraciclo relativamente a um conjunto de outros países europeus em termos da incidência, o número de novos casos, mas também o risco efetivo de transmissão". A situação explica-se, em parte, pelo avanço da variante Delta, mais 60% transmissível.

"Por um lado, isto tem uma explicação relativamente aos dados de Lisboa e Vale do Tejo, que se prende com o facto de estarmos com um desconfinamento mais à frente do que outros países da União Europeia, mas de estarmos neste momento com uma prevalência bastante elevada da variante Delta, cuja transmissibilidade mais elevada é também conhecida e que é já dominante em Lisboa e Vale do Tejo."

Marta Temido destaca que, atualmente, o país tem "vacinas e capacidade de testagem quais não dispúnhamos há um ano, e temos mais conhecimento sobre a forma de transmissão e de nos protegermos".

"Contudo medidas não farmacológicas nesta fase de transição podem ainda ser necessárias. Temos que ir avaliando e pedir o apoio de todos para, o mais possível, evitar medidas que, sabemos, têm impactos económicos e sociais muito elevados", apela.

O autoagendamento da vacina Covid-19 arranca esta segunda-feira para maiores de 37 anos e não de 35 como foi previsto no fim de semana, confirmou à Renascença fonte da "task force" do plano de vacinação.

A partir desta segunda-feira, quem tiver 37 ou mais anos poderá recorrer ao Portal do Autoagendamento, da Direção-Geral da Saúde (DGS), para marcar a vacina contra a Covid-19, garante a mesma fonte.

A ministra da Saúde adiantou que o autoagendamento para maiores de 35 anos vai arrancar ainda esta semana.

A testagem gratuita nas farmácias, em Lisboa, à Covid-19 deixou de estar limitada a dois testes mensais por morador na cidade, passando a oferecer um número de testes ilimitados, independentemente de ser ou não residente em Lisboa, informa a Câmara Municipal.

A ideia da imunidade do grupo com 70% da população vacinada contra a covid-19 está "completamente desatualizada" porque a vacina não protege contra a infeção e a transmissão do vírus, afirma Miguel Castanho, investigador do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+