Tempo
|
A+ / A-

"Silêncio" e "autismo". Magistrados do Ministério Público criticam PGR

22 abr, 2021 - 17:31 • Marina Pimentel

Novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público não compreende que Lucília Gago “se quede no silêncio, num momento em que o Ministério Público é alvo de críticas à sua atuação”.

A+ / A-

O novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), Adão Carvalho, critica o silêncio da procuradora-geral da República, Lucília Gago, sobre a polémica em torno da decisão instrutória da Operação Marquês, que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates.

No seu discurso de tomada de posse, esta quinta-feira, em Lisboa, Adão Carvalho afirmou “não ser compreensível” que Lucília Gago “se quede no silêncio, num momento em que o Ministério Público é alvo de críticas à sua atuação”.

O presidente do SMMP considera que a procuradora-geral não está a cumprir “o dever estatutário de informação que sobre a mesma impende, esclarecendo a opinião pública no sentido de que o Ministério Público é uma magistratura, dotada de autonomia, não instrumentalizável, e cuja atuação assenta unicamente em critérios de estrita legalidade e objetividade”.

Adão Carvalho vê também “com preocupação o autismo evidenciado pela procuradora-geral da República, o seu distanciamento e desinteresse pelos magistrados do Ministério Público e pelas suas principais preocupações”.

O novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público dá como exemplo “o facto de não ter comparecido, nem se ter feito representar na cerimónia de tomada de posse do único organismo representativo dos magistrados do Ministério Público”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João
    22 abr, 2021 Viseu 20:44
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).

Destaques V+