Tempo
|
A+ / A-

É um erro acabar com o SEF, dizem os sindicatos

28 jan, 2021 - 06:54 • Ana Carrilho

Ministro da Administração Interna já anunciou que as funções policiais do SEF passam para a PSP e GNR e as de investigação criminal, para a Polícia Judiciária. O novo serviço deverá chamar-se Serviço de Estrangeiros e Asilo.

A+ / A-

A mensagem passada pelos quatro sindicatos representantes dos das diferentes categorias de trabalhadores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), na audição conjunta que decorreu quarta-feira na Comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Liberdades e Garantias foi muito clara: o serviço tem problemas mas não é acabando com ele que se resolvem. O que o SEF precisa é de melhores condições para prestar melhor serviço aos imigrantes e defender as fronteiras do país.

O ministro da Administração Interna já anunciou que as funções policiais do SEF passam para a PSP e GNR e as de investigação criminal, para a Polícia Judiciária. O novo serviço deverá chamar-se Serviço de Estrangeiros e Asilo e ficar só com funções administrativas de pedidos de asilo e nacionalidade, pareceres sobres vistos consulares e autorizações de residência. O novo diretor nacional, Luís Botelho Miguel vai dirigir o processo.

Os sindicalistas lembraram que qualquer alteração ao funcionamento do SEF tem de passar pelo Parlamento e deixaram o apelaram aos deputados para travarem o fim do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Acácio Pereira, presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF, diz que não percebe qual é a vantagem da substituição de inspetores do SEF por agentes da PSP ou GNR. “Não quero acreditar que, com esta alteração, o governo queira acabar com o direito à greve dos funcionários que exercem funções nas fronteiras. Seria de uma gravidade monstra”.

O presidente do sindicato mais representativo do SEF lembra que qualquer alteração àquele serviço de polícia de fronteiras tem de passar pela Assembleia da República. E por isso, deixou o apelo aos deputados para que evitem que as funções sejam “espartilhadas”.

A transferência de funções exige transferência de meios para as outras estruturas. “Se o SEF há muito tempo que se debate com falta de pessoal, não é com a divisão com outras instituições que os problemas se vão resolver. Muito menos para o cidadão”.

Acácio Pereira admite que há problemas, mas aponta o dedo sobretudo à Lei Orgânica “desadequada e que não fomenta a eficácia”.

Opinião partilhada com Renato Mendonça, presidente do Sindicato dos Inspetores de Investigação, Fiscalização e Fronteiras do SEF. Considera que há falhas no serviço à comunidade imigrante, mas não melhora se o extinguirem.

“Não é acabando com o conhecimento e a experiência que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras foi acumulando ao longo dos anos que se melhora. Ninguém virá fazer o trabalho melhor que nós. O que têm de fazer é dotar o SEF de meios para melhorar esse trabalho”.

À semelhança de outros sindicalista, Renato Mendonça criticou o facto da reestruturação ter sido desencadeada na sequência de um caso “ainda não cabalmente esclarecido”, referindo-se ao alegado homicídio do imigrante ucraniano Ihor Homeniuk.

"SEF põe em causa capacidades do sistema de segurança interna"

Sobre a hipótese do SEF passar a ter apenas funções administrativas, o sindicalista contesta e apontou exemplos, como as falsificações de documentos. “Grande parte das falsificações têm a ver com as autorizações de residência. Falo de recibos de vencimento, contratos de trabalho, documentos para a Segurança Social e outros necessários à regularização das pessoas e que são falsificados. Querer dissociar esta situação do trabalho policial não é sério”.

Artur Jorge Girão, do Sindicato dos Funcionários do SEF (SINSEF) considera que o organismo precisa há muitos anos de uma reestruturação e aponta o dedo à má gestão interna, lembrando que nos últimos cinco anos o SEF teve quatro diretores nacionais.

Refere também a falta de pessoal, que gera muito atraso no funcionamento do serviço e lembra que há mais de um ano que aguardam a entrada de 116 novos assistentes técnicos.

Já Jorge Portas, presidente do Sindicato dos Inspetores Coordenadores Superiores da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF sublinhou que “será um enorme erro extinguir e espartilhar o SEF, referindo que a morte de um cidadão não pode ser o ponto de partida para a avaliação de um serviço e de todos os seus profissionais.

O sindicalista considera que têm estado a ser realçados factos negativos, esquecendo todo o contributo que a instituição tem dado para que Portugal esteja no topo da tabela no que toca ao acolhimento de imigrantes.

“Não é por ser um serviço policial que é menos humano, nomeadamente no combate à tráfico de seres humanos. Uma restruturação do SEF põe em causa todas essas capacidades do sistema de segurança interna português.

E deixou o alerta: “quem mais beneficiaria disso não seriam os imigrantes, mas sim quem se aproveita a menor eficácia dos órgãos de polícia. Os principais prejudicados seriam os imigrantes, vítimas de tráfico de seres humanos ou exploração laboral e sexual”.

Entre os deputados, a deputada socialista Isabel Rodrigues referiu que a reestruturação do SEF “ainda é um processo em construção”, já que ainda não há um decreto-lei com as alterações.

André Coelho Lima, considera que o timing para a reformar o SEF é “absolutamente infeliz” porque coincidiu com a morte do cidadão ucraniano, dando a ideia de que a violação dos direitos funcionais é uma prática generalizada naquele serviço de polícia. E deixou claro que o PSD não é favorável ao desmantelamento do SEF nem à forma simplista de separar as funções administrativas das polícias.

André Ventura, do Chega, considera um “erro colossal” que a partir da morte do imigrante ucraniano se avance com a proposta de extinção do SEF, dando a ideia de punição a toda uma instituição com base num acontecimento”.

Pelo contrário, Beatriz Gomes Dias, do BE defende que o SEF tem de ser reestruturado já que o homicídio ocorrido em março no aeroporto de Lisboa revela que naquele serviço os direitos dos imigrantes não são respeitados”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+