Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Confinamento

Costa. “Não vamos voltar ao presencial dentro de 15 dias. Vai haver ensino online”

27 jan, 2021 - 22:42 • Filipe d'Avillez

O chefe do Governo diz que foi necessário fechar as escolas para que as pessoas compreendessem que o país estava verdadeiramente em confinamento.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro mostrou-se convencido, esta quarta-feira à noite, de que não será possível regressar às aulas presenciais quando terminarem os 15 dias de pausa letiva que o Governo decretou, e que seguir-se-ão aulas online para todos os alunos.

Em declarações ao programa “A Circulatura do Quadrado”, na TVI24, Costa disse que o Governo decidirá consoante a situação da pandemia em Portugal, mas que com base nos dados existentes ele não acredita que seja possível o regresso ao presencial.

“Eu não acredito que daqui a 15 dias estejamos de volta às aulas presenciais. Daqui a 15 dias não estaremos perto”, afirmou.

A solução, por isso passará por aulas presenciais, acredita. “Não devemos prosseguir a interrupção, portanto vamos retomar o ensino online”.

O primeiro-ministro disse ainda que nenhuma escola está impedida de fazer ensino online neste momento, negando que o ministro da Educação o tenha proibido. “O ministro da Educação não disse que era proibido o ensino online. Se, durante esta interrupção letiva, quiserem ter trabalho de apoio para os alunos, podem ter”, sublinhando que “ninguém proibiu ninguém de ter ensino online e recusando que o seu executivo entre "numa discussão fantasma" e que haja "preconceitos" em relação ao ensino do setor privado.

António Costa defendeu-se ainda de acusações de que teria hesitado antes de fechar as escolas dizendo que o problema não é tanto elas serem um foco de contágio mas de o se encerramento ter sido importante por motivos de compreensão da gravidade da situação.

“Até ao encerramento das escolas as pessoas não perceberam verdadeiramente que estávamos em confinamento. Foi preciso fechar as escolas para as pessoas compreenderem isso. Para além de que isso obriga a uma série de pessoas a ficar em casa para tratar das crianças”, disse.

[Notícia atualizada às 23h40]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+