Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Novo teste rápido à Covid-19 usa tecnologia que identifica castas dos vinhos

12 jan, 2021 - 08:50 • Olímpia Mairos

É rápido, não requer pessoas especializadas ou reagentes caros. O protótipo em vias de conclusão para a deteção do SARS-CoV 2 garante resultados em 20 minutos.

A+ / A-

Veja também:


A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) está a desenvolver um biossensor para deteção rápida do SARS-CoV 2, concebido a partir da tecnologia utilizada para a identificação do DNA das castas dos vinhos.

“O biossensor é composto por nanopartículas que têm funcionalidades que são sequências específicas da Covid. Nós, utilizando sequências que são utilizadas também para os PCRs, como sondas, conseguimos identificar o vírus”, explica à Renascença Paula Martins Lopes, uma das investigadoras.

A tecnologia usada, concebida para a identificação e autenticação do vinho da Região do Douro, a partir do DNA das castas, aliando a composição varietal à respetiva denominação de origem, faz parte de uma patente internacional, desenvolvida no âmbito do WineBioCode e da Plataforma INNOVINE & WINE, recentemente registada pela UTAD.

O trabalho de autenticidade dos vinhos, que a universidade desenvolve há vários anos, constituiu assim, segundo Paula Lopes, um “conhecimento valioso que pode agora ser transposto para a situação muito preocupante que vivemos”.

De acordo com a docente do Departamento de Genética e Biotecnologia da UTAD, o novo teste rápido à Covid-19 “é um teste baseado em sequências específicas” do vírus.

“Não é algo que resulte da produção de antigénios das pessoas. Não tem a ver com proteínas, tem a ver com a identificação do vírus em si, não daquilo que é uma resposta imunitária do individuo”, específica a investigadora.

A mais valia do novo teste, assinala, prende-se com a possibilidade de se “identificar em cerca de 20 minutos a presença do vírus e isso permite fazer um ‘screening’ muito mais apertado da população e em tempo real”.

“Significa que não temos uns processos tão morosos como temos no caso do PCR, que exige uma extração do RNA e exige depois a sua amplificação. Aqui não. Aqui nós podemos detetar diretamente da amostra”, detalha a investigadora.

Outra das vantagens é que não são necessários profissionais especializados para a realização dos testes.

“Em princípio não, porque é possível fazer, como já se está a fazer no Reino Unido, a auto amostragem. As pessoas podem fazer na orofaringe a recolha da amostra e detetam logo imediatamente se há vírus”, adianta.

A equipa de investigadores está agora a tratar de todo o processo de legalização e certificação do produto e acredita que até ao final de fevereiro será possível a sua disponibilização.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+