Tempo
|
A+ / A-

Pedro Nuno Santos

Ministro rejeita responsabilidades no adiamento das obras na ferrovia

20 nov, 2019 - 14:40 • André Rodrigues com Redação

Pedro Nuno Santos atribui adiamento nas obras na ferrovia à falta de capacidade do setor da construção para dar resposta às necessidades públicas.

A+ / A-

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, rejeita responsabilidades do Estado sobre as suspensões e adiamentos de obras no âmbito do programa Ferrovia 20-20.

Em visita aos portos de Leixões e de Viana do Castelo, Pedro Nuno Santos diz que o setor da construção civil não tem a capacidade necessária, nesta fase, para responder às necessidades do investimento público. E isso, diz o ministro, é algo que "tem que se ir resolvendo”.

A Infraestruturas de Portugal admitiu, esta terça-feira, adiamentos nas obras ferroviárias, mas garante que não há cancelamentos. O esclarecimento surge após o "Jornal de Notícias" avançar que 18 obras previstas no âmbito do Programa Ferrovia 20-20, no valor de dois milhões de euros, foram suspensas ou atrasadas.

“Nós estamos sempre à procura das falhas do Estado, mas o que acontece é que não temos no país capacidade suficiente para dar resposta às necessidades públicas. Temos projetos com pouca qualidade, que têm de ser revistos várias vezes pela Infraestruturas de Portugal, mas também temos na fase de obra, obras com metade dos trabalhadores que seriam necessárias”, diz o ministro das Infraestruturas.

Pedro Nuno Santos defende o fim “de um desporto nacional que é o “para-arranca”, sublinhando que o atual Governo “toma, estabiliza e executa” decisões sobre as infraestruturas necessárias para se “viver melhor”.

Sobre as obras de expansão do aeroporto Humberto Delgado, o ministro nega que o governo esteja a tentar esquivar-se a uma avaliação de impacto ambiental e garante que está tão ou mais preocupado com esses impactos do que a ZERO.

"Ninguém está a fugir a nada. Nós queremos salvaguardar o ambiente, a qualidade de vida das nossas cidades, mais do que essas associações. Mas não queremos parar o desenvolvimento do país”, afirma.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Manuela Nunes das Neves
    22 nov, 2019 09:55
    Se não têm capacidade, nem vontade, abram aos privados. É inadmissível o que se passa com os comboios. No Rossio à hora de ponta só funciona uma gare, a nº3, e espera-se que chegue um comboio para ser tomado de assalto pelos passageiros que querem ir para casa.

Destaques V+