Tempo
|
A+ / A-

Pais recebem livros com sinais de correção de professores

09 ago, 2019 - 07:10 • Redação

Há uns meses, os encarregados de educação mostravam-se indignados com a necessidade de apagar o que foi escrito nos manuais escolares.

A+ / A-

Parece haver uma nova polémica nas redes sociais. Uma mãe de Braga foi levantar os livros para o filho usar no próximo ano letivo, mas apesar de terem sido apagados, ainda têm sinais de correção que os professores fizeram a caneta.

Segundo o “Notícias ao Minuto”, a mãe em questão gravou um vídeo, onde diz que o Governo deveria tomar uma posição.

Paula Carqueja, presidente da Associação Nacional de Professores (ANP), lembrou que, "desde sempre" a ANP manifestou a sua discordância perante a adoção de manuais reutilizáveis.

Apesar de a associação reconhecer a importância da "sustentabilidade ambiental", a medida só deveria ser aplicada se fossem adotadas estratégias para evitar que se escrevesse - alunos e professores - nos manuais.

No final de junho, os encarregados de educação tiveram de entregar os manuais emprestados. Mas havia regras: se não estivessem em condições de serem reutilizados, os pais poderão ter de pagar o valor do livro. A avaliação do estado de conservação destes manuais foi feita pelas escolas.

Na Renascença, a secretária de Estado Adjunta e da Educação considerou na altura que “faz sentido” que as escolas estejam a pedir aos encarregados de educação dos alunos para apagarem aquilo que estiver escrito nos manuais escolares que vão devolver.

“Se cada pai o fizer em três, quatro manuais, no máximo, do primeiro e segundo anos do seu filho, isso é um trabalho razoavelmente simples e rápido, que poupa o trabalho de eventualmente a escola ter de o fazer a centenas ou milhares de manuais”, disse Alexandra Leitão.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Garcia
    31 ago, 2019 12:26
    Os livros escolares passavam de irmãos e primos mais velhos para os mais novos e não era por isso que não aprendiam a ler e escrever correctamente Todos punham sobre e agora metem Ontem ao ouvir o testemunho de uma jovem sobre o crime da Lourinhã fiquei horrorizada com o disse a eles e outras prendas "brasileiras". Aproveitem a chance de ter livros gratuitos, pois há quem não tenha pão Leiam mais e cliquem menos

Destaques V+