Tempo
|
A+ / A-

Notícia Renascença

Promotores de 'crowdfunding' para a greve cirúrgica pedem a quem contribuiu para se identificar

09 fev, 2019 - 08:40 • Rui Barros

Numa mensagem de correio electrónico a que a Renascença teve acesso, os promotores pedem a quem contribuiu para se identificar e provar que a greve não foi financiada por quem quer destruir o Serviço Nacional de Saúde.

A+ / A-

Veja também:



Os promotores da recolha de fundos em regime de 'crowdfunding' - que pode ser traduzido por financiamento coletivo ou colaborativo - para a greve dos enfermeiros às cirurgias pediram às pessoas que contribuíram que se identifiquem.

Numa mensagem de correio electrónico para todos os que contribuíram para o financiamento da greve, e a que a Renascença teve acesso, Nelson Cordeiro, um dos enfermeiros promotores da iniciativa, pede a todos os que contribuíram para "deixar de ser anónimo" e, com isso, provar que quem contribuiu para o financiamento da greve não eram "apoiantes anónimos que apenas querem destruir o SNS".

"Caros colegas Enfermeiros e apoiantes da nossa causa e que contribuíram para o fundo solidário de apoio aos colegas em greve. Como sabem, estamos a ser acusados de ter apoiantes anónimos que apenas querem destruir o SNS. Como promotor, eu, Nelson Cordeiro, e com o apoio dos restantes elementos da GC, não acreditamos que tais pessoas existam entre os nossos apoiantes anónimos", começa por dizer o enfermeiro, na mensagem que seguiu para todos os que ajudaram a financiar a greve.

"Apelo a todos os colegas e amigos da Greve Cirúrgica que deixem de ser anónimos, sem ser necessário a justiça obrigar a PPL a fornecer esses dados", escreve ainda o promotor da recolha de fundos, que depois explica a todos os que participaram na recolha de fundos como podem identificar-se através da plataforma.

De acordo com a edição deste fim-de-semana do semanário "Expresso", a ASAE vai investigar a greve dos enfermeiros.

Na sexta-feira, o Partido Socialista fez saber que vai iniciar um processo de diálogo com outras forças políticas para a apresentação de um projeto que proíba contribuições monetárias anónimas no 'crowdfunding', plataforma que está a financiar as chamadas "greves cirúrgicas" dos enfermeiros.

Depois de aprovada em conselho de ministros, foi publicada na passada sexta-feira em Diário da República a portaria que decreta com efeito imediato a requisição civil dos enfermeiros que aderiram à greve nos centros hospitalares onde não foram cumpridos os serviços mínimos.

No mesmo dia, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) anunciou que vai interpor uma providência cautelar para suspender a requisição civil, que produz efeitos até ao último dia do mês.

Os enfermeiros tinham já antes feito uma greve cirúrgica que se prolongou por 40 dias e levou ao cancelamento de mais de 7 mil cirurgias. Em ambos os casos, o impacto financeiro do protesto no bolso dos enfermeiros foi combatido através do apoio de uma plataforma de angariação de donativos anónimos.

A primeira campanha ultrapassou os 360 mil euros e a segunda soma mais de 420 mil euros angariados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Beto Cunha
    09 fev, 2019 Porto 20:11
    Estou mesmo a ver os grupos privados de saúde a admitirem que vos pagaram a greve
  • Berto
    09 fev, 2019 Benfica 14:12
    Muito interessante... Então pelo facto de ter um nome já significa que não quer destruir o SNS?? Que paleio!! Aqueles que apoiam a greve dos enfermeiros são AQUELES QUE QUEREM DESTRUIR O SNS, sejam anónimos ou se chamem Vi a Jante ou outra coisa qualquer. Não façam os outros assim tão burros!
  • Rui
    09 fev, 2019 Lisboa 11:50
    O Chico espertismo do costume quem é que dá a quem para contribuir.
  • rui
    09 fev, 2019 funchal 11:00
    Ahahahah lá vão ressurgir os Jacintos Leites Capelos Regos e os Passos Dias Aguiares Motas deste Portugal.
  • Enfermeiro
    09 fev, 2019 Lisboa 10:58
    Não têm nada que se justificar: nem a Lei tal como está o exige, nem o António Costa, quando estava na câmara municipal de Lisboa e usou e abusou do crowfunding, apresentou quaisquer nomes. Porque o fazem vocês? Porque a Comunicação Social do gov e os habituais comentaristas arregimentados exigem? Mandem-nos para aquele sítio ...

Destaques V+