Tempo
|
A+ / A-

Guterres critica ataque do Hamas e cerco a Gaza

09 out, 2023 - 18:59 • Maria João Costa

O secretário-geral das Nações Unidas apela a israelitas e palestinianos que permitam a entrada de ajuda humanitária na Faixa de Gaza. António Guterres pede a libertação dos reféns e reconhece legitimidade nas “queixas” de palestinianos e israelitas quanto à sua segurança, mas apela a Israel para não violar a lei internacional.

A+ / A-

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, admite estar profundamente “perturbado” com o anúncio de Israel, que diz que irá fechar totalmente o acesso à Faixa de Gaza.

Numa declaração rápida, de pouco mais de cinco minutos, António Guterres falou pela primeira vez deste o início do conflito. O alto responsável da ONU lembra que a “situação humanitária em Gaza já era muito crítica”, antes do ataque de sábado do Hamas contra Israel, e que tenderá a piorar com o confinamento decretado.

Guterres apela, por isso, a israelitas e palestinianos para permitirem o acesso do pessoal das Nações Unidas a Gaza. “A ajuda com a entrada de bens essenciais deve ser facilitada”, refere o secretário-geral, que lembra que é necessário deixar entrar alimentos e medicamentos.

Para fora, o secretário-geral das Nações Unidas deixou um “apelo à comunidade internacional para reunir esforços para a ajuda a Gaza”.

No sábado, o grupo islâmico Hamas lançou um ataque por ar, terra e mar que apanhou Israel de surpresa. A operação fez centenas de mortos. Do lado de Israel estão confirmados 500 mortos e 2.500 feridos.

Na resposta, Israel bombardeou várias instalações do Hamas na Faixa de Gaza e anunciou que o país está em guerra.

“Infelizmente estes números podem aumentar porque os ataques continuam e há ainda muitas vítimas por contabilizar”, lamenta António Guterres sobre as vítimas das duas partes. Numa altura em que pede a libertação dos reféns israelitas, onde se incluem “mulheres, crianças e idosos”, Guterres lembra que os civis devem ser respeitados.

As razões das duas partes

Na primeira vez que fala sobre o assunto, António Guterres diz que reconhece “a legitimidade das queixas dos palestinianos”, mas sublinha que “nada justifica estes atos de terrorismo e a morte de civis”, por isso, o secretário-geral da ONU reitera o seu “apelo para que parem imediatamente estes ataques e libertem todos os reféns”.

Face à resposta de Israel, o responsável da ONU diz reconhecer também a “legitimidade de Israel com as questões de segurança”, mas alerta as autoridades que “as operações militares devem seguir a legislação humanitária internacional”.

Estou alarmado com o relato de que 500 palestinianos, incluindo crianças e mulheres foram mortos em Gaza, e há 3 mil feridos”, apontou Guterres que concluiu “os civis devem ser respeitados e protegidos sempre. Os alvos civis não podem ser atacados”, sublinhou

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    09 out, 2023 LEIRIA 19:45
    Boa noite. Que "banana",

Destaques V+