Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Ataque ucraniano a porto na Crimeia atinge navio e submarino russos

13 set, 2023 - 15:34 • Lusa

Estaleiro atacado integra a principal base da Marinha russa no mar Negro e é usado para reparar e construir navios militares.

A+ / A-

O ataque ucraniano com mísseis na madrugada desta quarta-feira contra um estaleiro militar russo no porto de Sebastopol, na Crimeia, causou danos num navio anfíbio e num submarino da frota russa, segundo fontes militares ucranianas citadas pela publicação RBK.

"Ocorreram danos na fábrica de reparação naval Sergo Ordzhonikidze, na cidade de Sebastopol", disseram representantes da secreta militar ucraniana (GUR), acrescentando que o ataque atingiu "um grande navio de desembarque e um submarino".

De acordo com dois canais russos de Telegram, Baza e Shot, o submarino Rostov e o navio militar Minsk são os que sofreram danos no ataque, cuja responsabilidade foi reivindicada pela Força Aérea Ucraniana através do seu comandante, Mikola Oleshchuk.

O Ministério da Defesa russo indicou hoje de manhã que a Ucrânia utilizou dez mísseis de cruzeiro para atacar o porto de Sebastopol, dos quais sete foram intercetados, bem como três 'drones' da marinha ucraniana.

Segundo o Ministério da Defesa russo, os navios danificados serão reparados e continuarão ao serviço.

As autoridades russas na península da Crimeia, anexada em 2014, contabilizaram 24 feridos no ataque.

"De acordo com informações preliminares, o incêndio foi causado por um ataque com mísseis", escreveu o governador russo em Sebastopol, Mikhail Razvozhayev, no Telegram.

O estaleiro atacado pertence à principal base da Marinha Russa no Mar Negro e é usado para reparar e construir navios militares.

A Ucrânia intensificou nos últimos meses os ataques com 'drones', mísseis e embarcações de desembarque contra Sebastopol e outras áreas da Crimeia.

Após o ataque em Sebastopol, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, afirmou em declarações à televisão estatal que a Rússia não tem outra escolha senão vencer na Ucrânia.

"Não temos outra opção", respondeu o ministro à pergunta do jornalista do canal Rossía-1 se a Rússia vencerá na Ucrânia, país invadido pelas tropas de Moscovo em fevereiro de 2022.

Shoigu, que participou nas negociações russo-norte-coreanas realizadas hoje no cosmódromo de Vostochny, afirmou que as tropas russas "estão ocupadas em manter uma defesa ativa nos setores necessários".

"Em algumas partes, isso [a defesa] é mais difícil, noutras é mais simples. Mas posso dizer que os rapazes atuam com confiança, os comandantes atuam com confiança. Defendemos com segurança tudo o que precisamos defender", declarou.

No início de junho, o Exército ucraniano lançou uma contraofensiva nas frentes sul e leste do país e que, apesar de críticas de lentidão face às fortes linhas defensivas russas, o Governo de Kiev afirma ter conseguido avanços importantes e desocupado vastos territórios.

A contraofensiva ucraniana, que a Rússia, por sua vez, declarou malsucedida, foi acompanhada por ataques de 'drones' e mísseis contra a retaguarda russa, incluindo em Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+