Tempo
|
A+ / A-

China confirma 60 mil mortes ​por Covid no último mês

14 jan, 2023 - 10:59 • Ricardo Vieira, com agências

A China assistiu no último mês a uma explosão do número de casos, após o abrandamento da política "Covid Zero".

A+ / A-

As autoridades de saúde da China registaram quase 60 mil mortes com Covid-19 no último mês, foi este sábado anunciado.

Entre 8 de dezembro e 12 de janeiro morreram 59.938 pessoas na China infetadas com o vírus da Covid-19, avança a agência AFP.

A informação foi avançada em conferência de imprensa por Jiao Yahui, diretora do Departamento de Administração Médica da Comissão Nacional de Saúde.

A China assistiu no último mês a uma explosão do número de casos, após o abrandamento da política "Covid Zero" de confinamentos em massa.

O número de vítimas mortais é atualizado depois de esta semana ter sido noticiado que 37 tinham morrido com o vírus desde o fim da "Covid Zero", apesar de imagens de satélite capturadas em várias cidades chinesas mostrarem multidões em crematórios e funerais.

A responsável considera que o pior já pode ter passado. O número de casos com sintomas de febre e de hospitalizações está a diminuir na China.

Em todo o país, "o número de atendimentos em clínicas de febre está em tendência de declínio após o pico, tanto nas cidades quanto nas áreas rurais", disse Jiao Yahui

Cerca de 900 milhões de pessoas na China já terão sido infetadas com Covid-19 até 11 de janeiro, de acordo com um estudo divulgado na sexta-feira pela Universidade de Peking, o que corresponde a cerca de 64% da população da China.

Portugal passou, desde 7 de janeiro, a realizar testes aleatórios à covid-19 a viajantes provenientes da China e a exigir teste realizado até 48 horas antes do embarque.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+