Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Surto na China não deve ter impacto significativo na Europa

10 jan, 2023 - 12:04 • Lusa

As variantes que circulam no território chinês já existem no continente europeu.

A+ / A-
Covid-19 Foto: Wu Hao/EPA
Covid-19 Foto: Wu Hao/EPA
Covid-19 Foto: Alex Plavevski/EPA
Covid-19 Foto: Alex Plavevski/EPA
Xangai China Foto: Alex Plavevski/EPA
Xangai China Foto: Alex Plavevski/EPA

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou hoje que o surto de casos de covid-19 na China não venha a ter um impacto significativo na Europa porque as variantes que aí circulam já existem no continente europeu.

"Não se espera que o atual aumento na China tenha um impacto significativo na situação epidemiológica da covid-19 na região europeia", disse o diretor regional da OMS, Hans Kluge, numa conferência de imprensa "online".

Kluge pediu ainda aos países europeus que tomem medidas "proporcionais e não discriminatórias" em relação aos viajantes da China.

Vários países, incluindo Portugal, Estados Unidos, Japão, França e Alemanha, passaram a exigir teste negativo a viajantes provenientes da China e outros desaconselharam viagens desnecessárias à China.

Na semana passada, a União Europeia incentivou os seus estados membros a imporem uma triagem na China, antes do voo, complementando o teste negativo com "testes aleatórios" na chegada a solo europeu.

"Não é razoável que os países tomem medidas de precaução para proteger as suas populações, enquanto esperamos informações mais detalhadas" da China, pois "essas medidas devem ser cientificamente justificadas", afirmou Kluge.

Segundo a OMS, os 53 países da região que se estende até a Ásia Central, graças principalmente ao alto índice de vacinação, estão bem protegidos para lidar com a covid.

"No início de 2023, a região (...) apresenta realmente uma posição muito boa. Temos uma forte proteção populacional, em parte graças às ondas de contágio natural que ocorreram, mas acima de tudo graças a uma excelente adesão geral à vacinação", disse Catherine Smallwood, gestora de emergência da OMS Europa.

No entanto, segundo a organização, é importante manter um alto nível de vigilância.

"Após três longos anos de pandemia, quando muitos países lutam com sistemas de saúde sobrecarregados, escassez de medicamentos essenciais e uma força de trabalho de saúde exausta, não podemos dar-nos ao luxo de colocar mais pressão nos nossos sistemas de saúde", insistiu Kluge.

"Essa ameaça pode vir de uma nova variante preocupante, em qualquer lugar, a qualquer hora - inclusive aqui na Europa e na Ásia Central. Com base nas lições aprendidas, precisamos de ser capazes de antecipar, detetar e reagir a tempo", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+