Tempo
|
A+ / A-

Morte de Daria Dugina

"Zero misericórdia" para quem matou filha de aliado de Putin, promete Rússia

23 ago, 2022 - 15:06 • Joana Azevedo Viana com agências

Daria Dugina morreu no sábado quando o carro que conduzia explodiu nos arredores da capital russa. Moscovo aponta dedo à Ucrânia, que rejeita envolvimento e responsabiliza o FSB.

A+ / A-

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros prometeu esta terça-feira que haverá "zero misericórdia" para os responsáveis pelo assassínio de Daria Dugina, filha de um influente ideólogo de Vladimir Putin, que morreu numa explosão no passado sábado, nos arredores de Moscovo.

Em conferência de imprensa, Sergei Lavrov adiantou que está em curso uma investigação à morte da jornalista e filha de Alexander Dugin, hoje velada por centenas de pessoas na capital russa.

"Esperamos que a nossa investigação esteja concluída em breve. E com base nos resultados desta investigação, não poderá haver misericórdia para aqueles que organizaram, ordenaram e executaram [este ataque]."

No velório de Dugina, na estação de televisão Ostankino, as pessoas foram trazendo flores ao longo do dia e prestando as suas homenagens. "Ela morreu pelo seu povo e pela Rússia", disse Dugin no arranque das cerimónias fúnebres.

Oficiais russos já acusaram publicamente a Ucrânia de estar por trás do ataque, com os serviços secretos russos (FSB) a indicarem que a responsável pelo ataque foi uma ucraniana nascida em 1979, que chegou à Rússia em julho com a filha menor.

Kiev rejeita todas as acusações e diz que os responsáveis poderão ser mesmo os serviços secretos russos.

“O FSB [Serviço Federal de Segurança da Federação Russa] fê-lo [o homicídio] e agora estão dizer que foi alguém do nosso lado que o cometeu", acusou esta terça-feira Oleksii Danilov, secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia.

Uma terceira versão, avançada no rescaldo do ataque por um investigador russo exilado em Kiev, sugere que Dugina poderá ter sido morta por um grupo de dissidentes russos anti-Putin que se opõem à guerra na Ucrânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    24 ago, 2022 Porto 08:08
    Loucura proferir tal julgo a si próprio. Pobre jovem e assim terminar, pois a semente ruím deve ser deitada nas pedras e não germinar.
  • EU
    23 ago, 2022 PORTUGAL 21:25
    Até hoje, nunca descobriram quem ORGANIZOU, ORDENOU e EXECUTOU o atentado de CAMARATE. E em TRÊS ou QUATRO dias, já sabem quem foi. Como ELES são inteligentes, não são?
  • Digo
    23 ago, 2022 Eu 15:41
    Zero misericórdia com os combatentes do batalhão Azov, zero misericórdia com os prisioneiros Ucranianos, zero misericórdia com o povo Ucraniano bombardeado dia e noite - atacar o Povo desarmado que é um alvo fácil, pois os soldados armados isso é outro campeonato. Acho que já estamos habituados a essa lenga-lenga. Vão apenas dizer que a culpa é da Ucrânia para tentar galvanizar a população e o exercito russo, que está bloqueado no Dombass.

Destaques V+