Tempo
|
A+ / A-

Guerra

Ucrânia diz que filha de ideólogo de Putin foi executada pelos serviços secretos da Rússia

23 ago, 2022 - 12:41 • Lusa

“O FSB [Serviço Federal de Segurança da Federação Russa] fê-lo [o homicídio] e agora estão dizer que foi alguém do nosso lado que o cometeu.”

A+ / A-

O secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia disse esta terça-feira que o assassínio de Daria Dugina, filha do filósofo russo Alexander Dugin, foi uma “execução realizada pelos serviços secretos russos”.

Em declarações ao canal ucraniano 24 reproduzidas por agências de notícias locais, Oleksii Danilov negou as acusações dos serviços secretos russos que implicam a Ucrânia na morte de Dugina.

"O nosso Serviço de Segurança não tem nada a ver com isso”, afirmou Danilov, sublinhando que a mulher “não tinha realmente importância” para a Ucrânia.

“O FSB [Serviço Federal de Segurança da Federação Russa] fê-lo [o homicídio] e agora estão dizer que foi alguém do nosso lado que o cometeu.”

O responsável pelo Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia sublinhou que os ucranianos “não trabalham assim” e têm tarefas mais importantes:

“Não estamos envolvidos na explosão que matou esta mulher, isso é obra dos serviços secretos russos.”

Danilov disse ainda que Daria Dugina e o seu pai criticaram o que a Rússia chama de “operação especial” militar na Ucrânia, porque achavam que estava a prolongar-se por muito tempo.

Na sua opinião, são os serviços secretos russos que estão a começar a livrar-se das pessoas que criticam os alegados “sucessos” militares da Rússia na guerra.

Já Mykhailo Podoliak, conselheiro do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e membro da equipa nomeada por Kiev para negociar um possível cessar-fogo com a Rússia, disse na rede social Twitter que as acusações de Moscovo “não são mais do que o resultado da propaganda” difundida pelo Kremlin, que “está a criar novamente mundos fictícios”.

Daria Dugina, filha de Alexander Dugin — filósofo russo próximo do Kremlin — morreu na explosão do carro que conduzia na região de Moscovo, no sábado à noite.

Dugin reagiu ao assassínio da filha — que as autoridades russas atribuem ao regime de Kiev — dizendo que o povo russo não pode ser alvo dos inimigos de Moscovo.

Segundo as agências de informação russas, o ataque foi perpetrado por uma mulher de nacionalidade ucraniana, nascida em 1979, identificada pelo FSB como sendo Natalya Vovk, que chegou à Rússia em julho com a filha menor, nascida em 2010.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    23 ago, 2022 Eu 21:03
    Seja quem tenha sido, fez um favor ao Mundo. Pena que o papá não estivesse também no carro ...

Destaques V+