Tempo
|
A+ / A-

Homicídio de filha de ideólogo do Kremlin. Putin condena "crime desprezível" e culpa Kiev

22 ago, 2022 - 15:23 • Lusa

Jornalista e cientista política nascida em 1992, Dugina era filha de Alexander Dugin, um ideólogo e escritor ultranacionalista que promove uma doutrina expansionista e que se apresenta como feroz defensor da ofensiva russa na Ucrânia.

A+ / A-

O Presidente russo, Vladimir Putin, classificou esta segunda-feira como um "crime desprezível" o assassínio da filha de um ideólogo que apoiava a ofensiva na Ucrânia, numa explosão do carro perto de Moscovo, que o Kremlin atribui a Kiev.

"Um crime desprezível e cruel acabou prematuramente com a vida de Daria Dugina, uma pessoa brilhante e talentosa com um coração verdadeiramente russo", disse Putin numa mensagem de condolências divulgada pelo Kremlin aos familiares da jovem assassinada no sábado.

Jornalista e cientista política nascida em 1992, Dugina era filha de Alexander Dugin, um ideólogo e escritor ultranacionalista que promove uma doutrina expansionista e que se apresenta como feroz defensor da ofensiva russa na Ucrânia.

"O assassínio foi preparado e cometido por serviços especiais ucranianos", disse o FSB, a principal agência de informações da Rússia, num comunicado citado por agências russas.

Segundo as agências de informação russas, o carro conduzido por Daria Dugina foi alvo de um ataque de uma mulher de nacionalidade ucraniana, nascida em 1979, identificada pelo FSB como Natalya Vovk, que chegou à Rússia em julho com a filha menor, nascida em 2010.

Os serviços de informações dizem que Vovk, alugou um apartamento no prédio onde Dugina morava e a seguiu, acrescentando que tinha estado mesmo num festival em que a vítima e a sua filha tinham comparecido, antes do assassínio.

A Ucrânia já negou qualquer envolvimento no assassínio, havendo outra versão que aponta responsabilidades a um grupo russo anti-Putin, o Exército Nacional Republicano.

Daria Dugina morreu na explosão do carro que conduzia na região de Moscovo, no sábado à noite, e as autoridades russas anunciaram de imediato a suspeita de um atentado que poderia ter como alvo Alexander Dugin.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas de suas casas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de seis milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que está a responder com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca à energia e ao desporto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    23 ago, 2022 Porto 00:41
    Os opositores russos ao regime russo são russos, porque carga de água matariam um russo nesta conjuntura política. Que interesse também teria o regime russo em bombardear festejos, são impedidos de sair à rua e pronto.

Destaques V+