Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ciberataques quase quadruplicaram desde 2015. Têm fins políticos ou militares

23 mai, 2022 - 18:43 • Lusa

“Os benefícios das tecnologias digitais para a manutenção de paz e segurança internacionais são múltiplos, mas os avanços na tecnologia também criaram novos riscos significativos e podem afetar a dinâmica de conflito para pior”, avisa subsecretária-geral da ONU.

A+ / A-

A Organização das Nações Unidas (ONU) indicou nesta segunda-feira que o número de ataques tecnológicos para fins políticos ou militares, patrocinados por Estados ou não, quase quadruplicou desde 2015, alertando que as próprias redes sociais permitem disseminar a desinformação.

Num 'briefing' sobre tecnologia e segurança no Conselho de Segurança, convocado pelos Estados Unidos e focado no "uso de tecnologias digitais na manutenção da paz e segurança internacionais", a subsecretária-geral da ONU para Assuntos Políticos e de Consolidação da Paz, Rosemary DiCarlo, manifestou grande preocupação com atividades maliciosas voltadas para infraestruturas que fornecem serviços públicos essenciais, de saúde e até humanitárias.

"Os benefícios das tecnologias digitais para a manutenção de paz e segurança internacionais são múltiplos. No entanto, os avanços na tecnologia também criaram novos riscos significativos e podem afetar a dinâmica de conflito para pior", alertou.

"Atores não estatais estão a tornar-se cada vez mais adeptos do uso de tecnologias digitais de baixo custo e amplamente disponíveis para prosseguir as suas agendas. Grupos como ISIL e Al-Qaeda permanecem ativos nas redes sociais, usando plataformas e aplicações de mensagens para compartilhar informações e comunicar-se com os seguidores para fins de recrutamento, planeamento e captação de recursos", disse DiCarlo.

Segundo a subsecretária-geral, a crescente disponibilidade de métodos de pagamento digital, como criptomoedas, traz desafios adicionais.

"Máquinas com poder e discrição de tirar vidas sem envolvimento humano são politicamente inaceitáveis, moralmente repugnantes e devem ser proibidas por lei internacional", apelou ainda.

Redes e desinformação

Outra das preocupações enumeradas por Rosemary DiCarlo é o uso crescente de 'apagões' da Internet, inclusive em situações de conflito ativo, que privam as comunidades dos seus meios de comunicação, trabalho e participação política, citando o caso específico de Myanmar, em que casos destes cresceram em número e duração desde o golpe militar de 1 de fevereiro de 2021, principalmente em áreas de operações militares.



Nem as próprias empresas donas das redes sociais escaparam das críticas das Nações Unidas, que frisaram que a resposta dada pelas companhias por vezes não é a mais eficaz para prevenir comportamentos criminosos.

"As redes sociais podem alimentar a polarização e, às vezes, a violência. O mau uso das redes sociais – e a resposta às vezes limitada ou não totalmente adequada das empresas de redes sociais – está a permitir a disseminação de desinformação, radicalização até chegar à violência, racismo e misoginia. Isso pode aumentar as tensões e, em alguns casos, exacerbar o conflito", afirmou DiCarlo perante o Conselho de Segurança.

Outro dos casos citados foi o da Etiópia, em que, com a escalada dos combates, se registou um "aumento alarmante" de publicações nas redes sociais espalhando retórica inflamatórias, como incitações a violência étnica.


A ONU também informou que a desinformação pode prejudicar a capacidade das suas próprias missões em implementar os seus mandatos, exacerbando falsidades e alimentando a polarização.

"No Iraque, por exemplo, após relatos de aumento do assédio online de candidatas femininas nas eleições do ano passado, a UNAMI [Missão de Assistência das Nações Unidas para o Iraque] fez parcerias com organizações da sociedade civil para monitorizar o discurso de ódio, emitir relatórios públicos e fortalecer a educação do eleitor", explicou.

"Devemos abraçar plenamente as oportunidades oferecidas pelo digital para promover a paz. Mas, para isso, devemos também mitigar os riscos que tais tecnologias representam e promover o seu uso responsável por todos os atores", acrescentou.

ONU incentivada a ter papel mais ativo

Também o professor adjunto da Universidade McGill, Dirk Druet, foi um dos convidados a intervir neste 'briefing' do Conselho de Segurança e citou a guerra da Rússia na Ucrânia como um exemplo onde as tecnologias estão a ser usadas para moldar a narrativa pública.

Nesse sentido, Druet, que é investigador, consultor de políticas e estratego com mais de uma década de experiência no pilar internacional de paz e segurança das Nações Unidas, sugeriu que a própria ONU assuma um papel mais explícito e deliberado como ator da informação em ambientes de conflito.

Apesar das preocupações, a ONU frisou que as tecnologias digitais fazem parte do seu trabalho diário de prevenção de conflitos, pacificação e construção da paz.

Um desses casos é no Iémen, onde a Missão das Nações Unidas de apoio ao Acordo de Hudaydah (UNMHA) usou várias ferramentas de mapeamento, sistemas de informação geográfica e tecnologia de satélite para melhorar a sua monitorização do cessar-fogo na região.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+