Tempo
|
A+ / A-

Hassan. O "pequeno herói" que fugiu sozinho da guerra reunido com a mãe

17 mar, 2022 - 11:12 • Olímpia Mairos

Andou 17 horas até a fronteira para se juntar ao irmão mais velho na Eslováquia. Mais tarde, a mãe e avó também fugiram aos bombardeamentos na Ucrânia.

A+ / A-
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia
Foto: Facebook/Polícia da Eslováquia

Hassan Alkhalaf, o rapaz de 11 anos, que saiu da cidade de Zaporíjia, por conta própria e andou 17 horas a pé até a fronteira para se juntar ao seu irmão que estuda na Eslováquia, já está com a mãe.

O menino fez a viagem no início de março, chamou a atenção dos meios de comunicação após a polícia local ter publicado a sua história no Facebook, chamando-o de “herói”.

A mãe do menino, viúva, não podia deixar a avó em casa, então enviou a criança sozinha para uma viagem de mais de 1.000 km para a Eslováquia, onde o irmão mais velho está a estudar. Hassan chegou apenas com um saco plástico, passaporte e um número de telefone escrito na sua mão.

Entretanto, a mãe de Hassan conseguiu também fugir do país, e reuniu-se esta quarta-feira com o filho.

A polícia da Eslováquia partilhou na sua página de Facebook, várias fotografias da chegada da mãe ao país, o processo pelo qual passou para dar entrada no mesmo e, finalmente, o reencontro com a família.

“A ameaça dos bombardeamentos russos convenceu a mãe a pelo menos tentar escapar com a avó. Também trouxeram o cãozinho. Depois de uma viagem muito difícil no comboio de evacuação, conseguiram chegar”, lê-se na publicação.

Hassan está, assim, de novo com a família, a mãe, a avó e o irmão de 20 anos que já se encontrava na Eslováquia a estudar.

“Perderam tudo de novo, mas dessa vez a guerra não lhes tirou ninguém. Eles estão juntos e é isso que importa”, escreve a polícia referindo que esta não foi a primeira vez que a família de Hassan fugiu da guerra.

Há anos também tiveram que deixar a Síria de repente, embora o pai não o tenha conseguido. Foi então que a família se fixou na Ucrânia.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 726 mortos e mais de 1.170 feridos, incluindo algumas dezenas de crianças, e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, entre as quais três milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+