Tempo
|
A+ / A-

"Famílias despediram-se à minha frente". Luso-ucranianos retidos na fronteira da Ucrânia

26 fev, 2022 - 14:47 • Ana Carrilho com redação

Edgar Cardoso integra o primeiro grupo de portugueses retirados da Ucrânia que já chegaram à Roménia.

A+ / A-

O primeiro grupo de portugueses retirados da Ucrânia já chegou à Roménia. A informação foi confirmada à Renascença por Edgar Cardoso que adianta que vários portugueses com dupla nacionalidade ficaram retidos na fronteira.

De acordo com director do futebol de formação do Shakhtar Donetsk, que integra o grupo de portugueses retirados da Ucrânia nesta madrugada, “havia filhos de portugueses que viviam já na Ucrânia, casados com portuguesas, mas todos os homens entre os 18 e os 60 anos não passaram a fronteira. Ficaram retidos”.

“Um rapaz com 20 anos que vinha no meu carro não passou. A mãe foi obrigada a passar a fronteira e o filho ficou com o pai do lado ucraniano”, conta.

O ministro dos Negócios Estrangeiros recordou, este sábado, que a "deslocação foi organizada anteontem e ontem [quinta e sexta-feira] com saída por via terrestre na direção da Roménia".

Nesse grupo, inicialmente composto por 41 pessoas, seis ficaram para trás por serem homens luso-ucranianos entre os 18 e os 60 anos, confirma Augusto Santos Silva.

Numa mensagem de vídeo no Facebook, após o início da operação militar russa contra a Ucrânia, Zelensky decretou a lei marcial em todo o país, segundo a qual todos os homens com idades entre os 18 e os 60 anos ficam proibidos de abandonar o país e poderem ser chamados para combater.

Esse grupo "mais avançado, que saiu logo com o senhor embaixador, é constituído por 35 pessoas e está neste momento no Norte da Roménia, alojado já em território romeno, e está já a ser apoiado pela embaixada portuguesa em Bucareste".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+