Tempo
|
A+ / A-

Tensão na Ucrânia. "Devemos manter-nos preparados para todos os cenários", diz MNE

15 fev, 2022 - 13:01 • José Pedro Frazão com redação

Em entrevista à Renascença, Augusto Santos Silva aponta sinais contraditórios na fronteira da Ucrânia. A retirada de alguns militares russos, anunciada esta terça-feira, é positiva, mas todos os cenários estão em aberto, diz o chefe da diplomacia portuguesa.

A+ / A-
"Devemos manter-nos preparados para todos os cenários", diz MNE sobre tensão na Ucrânia
"Devemos manter-nos preparados para todos os cenários", diz MNE sobre tensão na Ucrânia

O ministro dos Negócios Estrangeiros diz que há sinais contraditórios na fronteira da Ucrânia. A retirada de alguns militares russos, anunciada esta terça-feira, é positiva, mas todos os cenários estão em aberto, afirma o chefe da diplomacia portuguesa, em entrevista à Renascença.

“Esse desenvolvimento é um desenvolvimento positivo. O problema é que há sinais contraditórios, portanto devemos manter-nos preparados para todos os cenários”, defende Santos Silva.

O ministro acusa, ainda, Moscovo de manter uma lógica de intimidação com base na concentração de tropas na fronteira com a Ucrânia.

“A concentração de tropas russas na fronteira com a Ucrânia e a magnitude dos exercícios conjuntos da Rússia com a Bielorrússia, muito perto da fronteira da Bielorrússia com a Ucrânia são sinais muito negativos. Há ali uma lógica de intimidação que é inaceitável”, diz.

Perante este quadro, o representante português, garante que a Rússia só tem duas coisas a fazer: abandonar a ameaça à Ucrânia e negociar questões de segurança com o Ocidente.

“A Rússia deve abandonar esta posição agressiva, hostil, ameaçadora face à Ucrânia e tratar connosco as questões de segurança que são legítimas”, reitera.

Já no início do mês o ministro português tinha alertado paraa implementação de pesadas sanções a Moscovo, se a tensão com Kiev se agravar para um conflito militar.

Portugueses querem ficar na Ucrânia, mas estão longe da fronteira

A maioria dos cerca de 240 cidadãos com nacionalidade portuguesa a viver na Ucrânia não tem intenção de abandonar o país.

A informação foi adiantada à Renascença, por Augusto Santos Silva, que acrescenta que Portugal já identificou todos estes casos e se prepara para avançar com uma nova ronda de contactos.

“Estamos a contactar, um a um, os nossos concidadãos para saber se ainda estão na Ucrânia e se precisam de apoio”, assegura o ministro.

“Ainda há pouco falei com o nosso embaixador em Kiev e as respostas maioritárias são de pessoas que querem permanecer na Ucrânia”, acrescenta.

O chefe da diplomacia portuguesa adianta, ainda, que são quase todos luso-ucranianos e que se encontram longe da zona de maior risco, junto da fronteira com a Rússia.

“A grande maioria deles são cidadãos luso-ucranianos. Isto é, não são cidadãos portugueses que são estrangeiros na Ucrânia, são cidadãos portugueses que também são ucranianos e, portanto, estão na sua terra”, esclarece o diplomata.

“No Donetsk e Luhansk [duas cidades próximas da fronteira com a Rússia] estavam cerca de dez pessoas e provavelmente já nem essas dez lá estão”, garantiu.

A tensão entre Kiev e Moscovo aumentou desde novembro passado, depois de a Rússia ter estacionado mais de 100.000 soldados perto da fronteira ucraniana, o que fez disparar alarmes na Ucrânia e no Ocidente, que denunciou os preparativos para uma invasão daquela ex-república soviética.

O secretário-geral das Nações Unidas já tinha dito que não há outra alternativa senão uma solução diplomática, tendo-se oferecido para mediar a crise. António Guterres falou ao telefone com os ministros dos negócios estrangeiros dos dois países a quem diz ter mostrado disponibilidade para contribuir para uma solução pacífica.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    15 fev, 2022 Funchal 14:27
    O mal do mundo, são os políticos. Porque as guerras só trazem desgraça, pobreza, miséria, deslocados...é uma tristeza esta gente louca por riquezas, território e nacionalismos.

Destaques V+