Tempo
|
A+ / A-

Decisão da justiça sul-africana foi correta, diz Tiago Caiado Guerreiro

17 dez, 2021 - 09:15 • João Cunha , Olímpia Mairos

O advogado explica que o caso de João Rendeiro é de “elevado perfil” e que a negligência ou falta de cuidado daria uma má imagem da África do Sul.

A+ / A-

João Rendeiro vai continuar detido na África do Sul, depois de a justiça sul-africana ter negado, esta manhã, a fiança ao antigo banqueiro.

À Renascença, Tiago Caiado Guerreiro fala de uma decisão correta.

“Parece-me uma decisão acertada”, diz o advogado, considerando que “como já houve a fuga de Portugal, perante um processo judicial a que ele está sujeito, o mesmo iria provavelmente acontecer na África Sul”.

“Com base nisso, manter a prisão até dia 10 de janeiro, parece-me lógica e daí para a frente, provavelmente, depois ser permitida a extradição para Portugal”, acrescenta.

Um dos argumentos utilizados pelo juiz sul-africano Rajesh Parshotam foi o de não querer fazer da África do Sul um santuário para fugitivos. Um argumento compreensível para Tiago Caiado Guerreiro.

O advogado explica tratar-se de “um caso de elevado perfil”, argumentando que existindo “uma fuga ou um tratamento mais leviano dará uma imagem negativa da África do Sul”, uma vez que é “um caso com um perfil bastante elevado”.

“É como se fosse um caso de corrupção ou qualquer outro crime associado que tenha um certo grau de gravidade. A negligência ou falta de cuidado do referido caso daria uma má imagem, eu acho péssima, relativamente à África do Sul onde há uma enorme comunidade de portugueses”, conclui.

O magistrado sul-africano confirmou que a justiça sul-africana ainda não recebeu qualquer pedido de extradição das autoridades portuguesas.

Durante a sua intervenção garantiu a segurança do arguido e diz não ser verdade que no país as prisões não tenham condições dignas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+