Tempo
|
A+ / A-

João Rendeiro vai continuar detido

17 dez, 2021 - 07:10 • Redação

Ex-banqueiro do BPP vai ficar na prisão até 10 de janeiro.

A+ / A-

A justiça sul-africana negou fiança a João Rendeiro, que vai ficar detido até 10 de janeiro. O antigo banqueiro foi presente, esta manhã, ao juiz no tribunal de Verulam, na África do Sul.

O juiz rejeitou proposta de caução apresentada pela defesa, por considerar que existe "grande probabilidade de fuga" tendo em conta o historial do ex-banqueiro.

"A fiança foi negada, o arguido continuará sob custódia", afirmou Rajesh Parshotam, acrescentou que está marcada nova audiência para 10 de janeiro.

"É um fugitivo, contra as ordens dos tribunais" justificou o magistrado, sublinhando: "Se não respeita processos judiciais em Portugal porque iria respeitar na África do sul".

Confirmou ainda que a justiça sul-africana ainda não recebeu qualquer pedido de extradição das autoridades portuguesas.

Durante a sua intervenção garantiu a segurança do arguido e diz não ser verdade que no país as prisões não tenham condições dignas.

Diz que a defesa quer fazer acreditar que Rendeiro é uma "vítima" e os processos contra ele são "injustos".

Fez referência às duas contas bancárias do antigo presidente do BPP - nos EUA e na África do Sul - e ao facto de Portugal alertar para o facto de ter três passaportes.

Na quarta-feira, o magistrado ouviu durante cerca de três horas os argumentos da defesa, que propõe a libertação em troca de 40.000 rands (2.187 euros), e do Ministério Público sul-africano, que se opõe.

Na quarta-feira, o magistrado ouviu durante cerca de três horas os argumentos da defesa, que propõe a libertação em troca de 40.000 rands (2.187 euros), e do Ministério Público sul-africano, que se opõe.

O ex-banqueiro tem, desde quarta-feira, um terceiro mandado de detenção internacional. Foi emitido pelo juiz Francisco Henriques que a 28 de setembro tinha condenado Rendeiro a 3 anos e seis meses de prisão efetiva por um crime de burla qualificada.

Este mandado junta-se a outros dois que já tinham sido postos a circular pelas autoridades nacionais.

A Procuradoria Geral da República está a enviar para o Ministério Público da África do Sul os documentos necessários para a extradição do ex-banqueiro. Portugal tem no máximo 40 dias, a partir da data da detenção de João Rendeiro para entregar todos os elementos. Se falhar o prazo, Rendeiro pode ser libertado.

O ex-banqueiro foi preso no sábado, num hotel em Durban, na província sul-africana do KwaZulu-Natal, numa operação que resultou da cooperação entre as polícias portuguesa, angolana e sul-africana.

Rendeiro estava fugido à justiça há três meses e as autoridades portuguesas reclamam agora a sua extradição para cumprir pena em Portugal.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.


[notícia atualizada às 8h40]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+