Tempo
|
A+ / A-

ONU

Biden avisa terroristas. “Não somos o mesmo país do 11 de Setembro”

21 set, 2021 - 16:05 • Filipe d'Avillez

O líder americano sublinhou que é a primeira vez em 20 anos que os EUA não estão envolvidos diretamente em nenhum conflito.

A+ / A-

O Presidente dos Estados Unidos da América deixou esta terça-feira um aviso aos terroristas de todo o mundo, dizendo que o seu país está mais bem preparado para enfrentar as suas ameaças agora do que estava há 20 anos.

Falando na assembleia geral da ONU, em Nova Iorque, Biden disse que a América mudou nestas duas décadas, para melhor.

“Devemos ainda permanecer vigilantes em relação à ameaça colocada pelo terrorismo a todas as nossas nações. Seja de lugares distantes no mundo ou nos nossos próprios quintais, conhecemos a amarga dor do terrorismo. Quase todos a sentimos. No mês passado perdemos 13 heróis americanos e quase 200 civis afegãos num terrível ataque no aeroporto de Cabul.”

Quem cometer atos de terrorismo contra nós continuará a encontrar um inimigo determinado nos EUA. Mas o mundo de hoje não é o mesmo de 2001. E os EUA não são o mesmo país que eram quando fomos atacados no 11 de Setembro, há vinte anos. Hoje estamos mais bem preparados para detetar e prevenir ameaças terroristas e temos uma maior capacidade para as rechaçar e responder”, afirmou o chefe de Estado.

O Presidente americano sublinhou ainda uma mudança de paradigma na forma de lidar com estas ameaças, que deixa Washington menos dependente de intervenções militares.

“Sabemos como construir parcerias efetivas para desmantelar redes terroristas, atingindo os seus sistemas de apoio e de finanças, contrariando a sua propaganda, evitando as suas viagens e desmantelando ataques eminentes. Enfrentaremos as ameaças terroristas que surjam hoje, e no futuro, com um grande leque de ferramentas ao nosso dispor, incluindo trabalhando com parceiros locais para que não estejamos tão dependentes de intervenções militares em larga escala.”

Perto do final da sua intervenção de 30 minutos, Joe Biden lembrou que com a retirada do Afeganistão esta é a primeira vez em 20 anos que se pode dizer que os EUA não estão envolvidos em nenhum conflito.

Pela primeira vez em 20 anos os EUA não estão em guerra. Virámos a página. Toda a força, energia e compromisso, vontade e recursos da nossa nação estão agora inteiramente focados no que temos pela frente e não no que deixámos para trás.”

Biden prometeu que a sua Administração pretende estar na linha da frente para lidar com os desafios que se colocam ao mundo. “Lideraremos em todos os grandes desafios dos nossos tempos, da Covid ao clima, paz e segurança, dignidade humana e direitos humanos, mas não estaremos sozinhos. Lideraremos juntos, com os nossos aliados e parceiros, em colaboração com todos os que creem, como nós, que está ao nosso alcance enfrentar estes desafios, construir um futuro que eleva todos e preserva o planeta.”

Joe Biden foi o segundo chefe de Estado a falar nesta assembleia geral da ONU, num dia em que se espera que Marcelo Rebelo de Sousa também faça o seu discurso.

António Guterres deu início aos trabalhos esta tarde, avisando para a ameaças colocada ao mundo pelo crescente conflito entre os EUA e a China que, disse, será mais imprevisível do que a Guerra Fria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+