Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Estado Islâmico

Mulher alemã vai responder em tribunal por se ter juntado ao Estado Islâmico

29 jul, 2021 - 20:28 • Filipe d'Avillez

Leonora M. foi uma das muitas mulheres que fugiu para a Síria e para o Iraque para se juntar ao grupo terrorista.

A+ / A-

Uma mulher alemã vai ser indiciada por ter viajado para a Síria, em 2015, para se juntar ao Estado Islâmico.

Identificada apenas como Leonora M., a mulher vai ter de responder em tribunal por ter pertencido a um grupo terrorista e por cumplicidade com um crime contra a humanidade.

O Ministério Público da Alemanha diz que quando ela chegou à Alemanha tornou-se a terceira mulher de um jihadista e, nessa capacidade, auxiliou as suas atividades terroristas, gerindo a casa e ajudando-o a conseguir um emprego nos serviços secretos do Estado Islâmico.

Leonora terá trabalhado num hospital, onde aproveitava a convivência com outras esposas de militantes para reunir informações para os mesmos serviços secretos.

Mais concretamente, a ex-membro do Estado Islâmico é acusada de ter sido cúmplice do marido quando este comprou uma mulher yezidi, e os seus dois filhos, como escravos. Leonora ajudou a cuidar dos três, com o objetivo de serem revendidos, com lucro, o que acabou por acontecer.

Quando o Estado Islâmico foi derrotado territorialmente no nordeste da Síria, em 2018, Leonora acabou por se entregar às forças curdas, que combateram o grupo terrorista, com o apoio dos Estados Unidos.

Este é o mais recente caso de uma ex-militante do Estado Islâmico a ser levada a tribunal por pertença ao grupo terrorista na Síria e no Iraque.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+