Tempo
|
A+ / A-

Cuba

Sessenta anos depois, Castros deixam de mandar em Cuba

16 abr, 2021 - 22:24 • Filipe d'Avillez

Raúl Castro, de 89 anos, anunciou esta sexta-feira que se vai demitir de líder do Partido Comunista Cubano, em favor de uma nova geração “cheia de espírito anti-imperialista”.

A+ / A-

Mais de sessenta anos depois da revolução cubana de 1959, os Castros vão deixar de mandar em Cuba.

O atual líder do Partido Comunista do país, Raúl Castro, que “herdou” o poder do seu irmão Fidel, anunciou esta sexta-feira que se vai demitir.

Castro diz que vai deixar o cargo para abrir caminho a uma nova geração, que descreve como estando “cheia de paixão e espírito anti-imperialista”.

Raúl Castro deixa assim a liderança do Partido Comunista Cubano que se encontra num congresso de quatro dias, após os quais será eleito o sucessor.

A decisão do atual líder era expectável e os analistas acreditam que será sucedido por Miguel Díaz-Canel, que embora seja atualmente o chefe de Estado do país, não tem o poder supremo, que está nas mãos do líder do partido.

“Creio ferverosamente na força, natureza exemplar e compreensão dos meus compatriotas”, afirmou esta sexta-feira Raúl Castro. “Enquanto for vivo estarei sempre pronto, com um pé no estribo, para defender a pátria, a revolução e o socialismo”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+