Tempo
|
A+ / A-

“Não houve confusão ou desespero”. Jornalista sobrevivente recorda queda do avião na Colômbia

16 dez, 2016 - 11:14

Acidente ocorreu a 28 de Novembro, matando 71 das 78 pessoas a bordo. O avião da LaMia transportava a equipa Chapecoense.

A+ / A-

"Quando despertei, pensei que estava num sonho". O relato é do único jornalista sobrevivente à queda do avião da LaMia, na Colômbia, que transportava a equipa brasileira do Chapecoense.

"A minha última recordação é de poucos minutos antes da colisão. Estávamos a conversar naturalmente e a falar tranquilamente até que as luzes se apagaram e os motores se desligaram. Os motores desligaram-se devido à falta de combustível e, automaticamente, todas as luzes se apagaram. Não houve confusão, não houve desespero, nada", descreveu Rafael Henzel à rádio espanhola Cadena Cope.

O brasileiro acordou cerca de duas horas depois da queda, já com as equipas de socorro no local. Partiu sete costelas e continua a recuperar.

"Não houve nenhum aviso para que nos preparássemos para uma colisão ou queda. O avião, assim que se apagaram as luzes, demorou entre dois a cinco minutos - no máximo - a bater na montanha", recorda.

Rafael Henzel disse à rádio espanhola que o facto de existirem várias árvores no local da colisão ajudou a amortecer a queda. Nesta conversa revela não ter “medo de voltar a andar de avião”, mas confessa que aquilo que viu foi um “pesadelo”.

O acidente ocorreu no dia 28 de Novembro, matando 71 das 78 pessoas que seguiam a bordo, incluindo a quase totalidade da equipa da Chapecoense, que se deslocava para a Colômbia para disputar a primeira mão da final da Taça Sul Americana. Sobreviveram apenas seis pessoas.

As causas do acidente estão a ser investigadas, mas a informação já recolhida das caixas negras aponta para falha eléctrica total e falta de combustível. O director-geral da companhia LaMia, Gustavo Vargas Gamboa, foi detido na sequência do desastre aéreo.

A companhia aérea LaMia vai pagar 114 mil euros aos sobreviventes e familiares das vítimas do acidente que envolveu a equipa brasileira da Chapecoense. A empresa boliviana aguarda a devolução de documentos por parte do governo local para seguir com o processo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+