Tempo
|
A+ / A-

Assunção Cristas: Portugueses que pagam “a maior carga fiscal de sempre” não se reveem no editorial do “Financial Times”

26 ago, 2019 - 17:25 • Redação

Líder do CDS considera que o artigo revela distanciamento sobre a realidade do país.

A+ / A-

A líder do CDS, Assunção Cristas, considera que os portugueses que pagam “a maior carga fiscal de sempre” não se reveem no editorial do “Financial Times”, que elogia o Governo e o desempenho da economia nacional.

“Eu creio que vale a pena verificar no concreto o que é a vida em Portugal e, talvez, haja algum distanciamento”, afirma Assunção Cristas.

“Eu não acredito que as pessoas que hoje vivem em Portugal sintam que a maior carga fiscal de sempre as ajuda na sua vida quotidiana”, atira a líder do CDS.

Assunção Cristas, que falava aos jornalistas no Palácio da Justiça, em Lisboa, após a entrega da lista que encabeça pelo círculo eleitoral de Lisboa, considera que Portugal não está no seu “melhor momento”.

A líder do CDS nega a existência de uma crise no partido e defende que o objetivo nas legislativas de 6 de outubro "é trabalhar para manter e para fazer crescer" a representação no parlamento.

"O nosso objetivo é trabalhar para merecer a confiança de todos aqueles que se reveem num país diferente, com mais ambição, com mais arrojo, com mais capacidade de progredirmos, e é para isso que estamos a trabalhar. Eu acredito que há muitas pessoas que se reveem nestas propostas e nestas preocupações do CDS", disse Assunção Cristas.

O líder do PSD também comentou o artigo do jornal britânico "Financial Times". Rui Rio lembrou ter sido o "endividamento de Portugal face ao exterior" que "levou o país à falência" e que essa tendência já se está o observar, de novo.

"O endividamento de Portugal face ao exterior está a aumentar face ao exterior e foi isso que determinou a falência há uns anos", afirmou Rui Rio.

Para o primeiro-ministro, António Costa, o editorial corresponde “àquilo que genericamente a imprensa internacional tem sinalizado em relação a Portugal”.

“Houve uma recuperação muito grande que o país teve nos últimos anos e que se traduz não só no reconhecimento dos órgãos de comunicação social, designadamente a imprensa económica, mas sobretudo daqueles que investem. Temos números recorde de atração de investimento direto estrangeiro, como não se conseguia em muitas décadas”, afirmou António Costa, em Vila de Rei.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+