Tempo
|
A+ / A-

IUC dispara 400% em carro a gasolina com 900 de cilindrada

17 out, 2023 - 17:41 • Pedro Mesquita , Diogo Camilo

Cálculos da Deloitte à medida polémica do Orçamento do Estado de 2024 para carros antigos mostram que um carro com matrícula de maio de 2005, que pagou 19,34 euros este ano, verá o imposto chegar aos 96,92€ no espaço de quatro anos.

A+ / A-

A medida sobre o Imposto Único de Circulação no Orçamento do Estado para 2024 tem gerado polémica e o aumento em carros anteriores a julho de 2007 pode traduzir-se num agravamento de cerca de 400%, em relação ao que se pagou este ano.

Segundo cálculos da Deloitte, um carro a gasolina com 900 de cilindrada e matrícula de maio de 2005 pagou em 2023 um IUC de 19,34 euros, mas poderá ver o imposto chegar aos 96,92€ no espaço de quatro anos.

Afonso Arnaldo, fiscalista especialista em impostos indiretos da Deloitte, explica à Renascença como é que este aumento acontece de forma “progressiva”.

“A nova fórmula de cálculo, que o Governo propõe, faz com que, neste caso concreto, o aumento seja de 400%, mas que o aumento seja limitado a 25 euros por cada ano. Em 2024, aos 19 euros somam-se 25 euros, portanto vai pagar 44 euros de IUC. Em 2025, aos 44 euros vão somar-se mais 25 euros, vai pagar 69 euros. Em 2026, mais 25 euros, são 94 euros. E em 2027 soma-se o restante, para perfazer os 96 euros de IUC”, exemplifica.

O fiscalista alerta ainda que, chegando a 2027, pode não se pagar exatamente dois euros.

“Normalmente, existem aumentos das tabelas por indexação à inflação. Quer dizer que, em 2024, 2025 e 2026, poderão existir ajustes e, em 2027, poderá não estar a pagar 96 euros, mas mais”, sublinha Afonso Arnaldo.

As mesmas simulações mostram que um carro a gasóleo, com matrícula de janeiro de 2006 e 1995 de cilindrada, por exemplo, verá o IUC subir cerca de 430%, passando dos 45 euros pagos em 2023 para 231 euros com as novas regras.

Neste caso, e tendo em conta o travão anual de subida de 25 euros, este carro precisará de cerca de sete anos e meio para atingir aquele valor.

No relatório que acompanha a proposta orçamental, o Governo justifica a medida com a necessidade de acautelar o cumprimento de "exigências ambientais", conjugando-a com a "criação de um incentivo ao abate de veículos antigos, que visa promover a renovação do parque automóvel e a descarbonização do transporte de passageiros".

Esta terça-feira, o ministro das Finanças, insistiu que a medida no OE 2024 vem corrigir aquilo que considera ser uma “situação injusta”, em que “automóveis mais poluentes estão a pagar um quarto da tributação que pagam automóveis mais recentes”.

O governante anunciou ainda medidas de incentivo ao abate e à aquisição de carros elétricos para todos os que queiram trocar carros antigos.

Em reação à medida foi lançada uma petição pública, contra este agravamento do IUC, que conta já com mais de 173 mil assinaturas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+