A+ / A-

Preço do cabaz de alimentos da DECO desce quase 9 euros

23 mar, 2023 - 17:12 • Pedro Mesquita , Diogo Camilo

É a maior descida desde que a lista de 63 produtos foi criada. O cabaz custa agora 226,15 euros, o seu valor mais baixo desde 8 de fevereiro. DECO sublinha que a descida, apesar de “tímida”, é “significativa”.

A+ / A-

O preço do cabaz de bens alimentares da DECO-Proteste caiu esta semana, depois de três semanas consecutivas a subir. A descida, que representa uma poupança de 8,70 euros, é a maior desde que a lista que inclui 63 produtos foi criada. O cabaz custa agora 226,15 euros, o seu valor mais baixo desde 8 de fevereiro.

À Renascença, a porta-voz da DECO, Ana Guerreiro, explica que a descida, apesar de “tímida”, é “significativa”.

“Num momento em que os consumidores estão a poupar nas compras de supermercado, estes 8,70 euros podem significar uma poupança no bolso dos consumidores ou permitir-lhes comprar produtos que até agora não poderiam comprar”, afirma.

Embora não seja possível encontrar um padrão definido para as descidas dos preços, os produtos hortícolas (que estão 19% mais baratos) e peixes como o salmão e a pescada (que baixaram em média cerca de 17%), foram os que mais contribuíram para a redução do custo do cabaz.

Do lado contrário, entre os produtos que mais subiram de preço entre 15 e 22 de março estão o carapau, o iogurte líquido de morango e o atum posta em azeite.

O cabaz alimentar está, ainda assim, 42,52 euros acima dos 183,63 euros que custava a 23 de fevereiro de 2022, antes do início da guerra na Ucrânia, e 17,61% mais caro em comparação com o mesmo período do ano passado, quando custava 192,28 euros.

DECO avisa que descida do IVA “pode não ser boa medida”

A DECO comentou ainda a possibilidade de uma descida do IVA na próxima semana, admitida pelo primeiro-ministro, António Costa.

“Se olharmos para a experiência dos nossos vinhos espanhóis, pode não ser uma boa medida, porque isso não se refletiu no preço dos produtos alimentares”, afirma Ana Guerreiro.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor lembra ainda que existirão negociações com os retalhistas, pelo que o melhor é “aguardar pelas medidas fechadas e pela sua aprovação” para avaliar se esta será ou não uma boa solução, que “possa trazer a poupança imediata”.

A medida de descida do IVA foi apontada esta quarta-feira no Parlamento por Costa, que lembrou que a inflação sobre os alimentos foi de 20,5% em fevereiro, e que essa subida de preços é maior do que a generalidade dos bens - tanto em Portugal, como na União Europeia.

“O Governo vai trabalhar com o setor para agir sobre os preços", disse, explicando que esta aconteceria em duas dimensões: a primeira através de ajudas de Estado à produção, para diminuir os custos de produção do setor alimentar; a segunda através de "um equilíbrio entre redução da fiscalidade, ou seja, do IVA, e a garantia de que essa redução se traduz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+