Tempo
|
A+ / A-

​Governo anuncia mais 50 milhões de euros para turismo e indústria

17 nov, 2022 - 16:52 • Ana Carrilho

Ministro da Economia explicou que o programa é pretende “ajudar o investimento das empresas”.

A+ / A-

O ministro da Economia, António Costa e Silva, anuncia o lançamento de um novo programa de apoio ao turismo para aquisição, reconstrução e remodelação de edifícios no valor de 50 milhões de euros.

O governante falava no congresso nacional de hotelaria e turismo que decorre em Fátima.

“É um programa de 50 milhões de euros para ajudar o investimento das empresas, é uma espécie de programa para ajudar as empresas de turismo em relação a todos os seus edifícios, aos seus imóveis para modernizar, recuperar e desenvolver, para aquisição destes imóveis com uma opção de recompra para as empresas”, descreveu.

António Costa e Silva lembrou ainda que os empresários do setor têm mais 380 milhões de euros disponíveis, referentes a programas lançados anteriormente.

“São cerca de 150 milhões de euros que estão disponíveis do Apoiar Turismo e 230 milhões do programa Requalifica. São programas que estão disponíveis e trabalhamos sempre em parceria, como deve ser, para tentar construir soluções”, disse o ministro.

Costa e Silva sublinhou ainda a importa de se construir “plataformas colaborativas e de nos unirmos como cidadãos do mesmo país para construir soluções e fazer face ao futuro”.

Num discurso com mais de 20 minutos, o ministro fez questão de deixar uma mensagem de otimismo, mas ao mesmo tempo de cautela, não escondendo o entusiasmo com o peso das exportações no PIB.

“Este ano, muito provavelmente, as exportações vão representar cerca de 49% do PIB do país. O ano passado representaram 41%, no 1º semestre deste ano já chegámos aos 49% e vamos ver se conseguimos manter este valor o que é absolutamente extraordinário”, enalteceu.

“Quanto mais exportarmos, quanto mais internacional for a nossa economia, mais competitivas são as nossas empresas, mais saudável é todo o tecido económico”, rematou o governante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Turismofobico
    18 nov, 2022 Fora o excesso de turistas 21:10
    Acrescente que os empresários da hotelaria que esfregam as mão com esta avalanche de endinheirados praticam preços na época alta, que não podem ser suportados pelo português médio e que o governo é o primeiro a tomar opções de política fiscal que discriminam positivamente o "Turista", e temos que o grau de distância social e económica se acentua e provoca. aversão, repulsa e antipatia. Espanta-me como ainda não houve choques entre os autóctones e a turistada e problemas de violência muito sérios, mas não devem tardar a aparecer, por muito que isso custe ao otimista sorridente e à VP executiva da Associação da Hotelaria de Portugal
  • Contra o Turismo
    17 nov, 2022 Portugal aos portugueses 19:36
    Claro que sim, coitadinhos dos turistas, aqueles que compram as casas todos com que os portugueses, rechaçados para um barraco na periferia, gélido no Inverno, fornalha no Verão, onde têm de guiar um carro de 13 anos 3h diárias no transito, para no fim do mês ter salário mínimo ou quase, aquelas casas com que os tugas apenas sonham, aqueles turistas com facilidades fiscais para se fixarem cá na sua arrogância a gozar com a nossa pobreza, aqueles turistas com poder económico que compram tudo, comem em bons restaurantes sorriem como os novos donos disto tudo, aqueles para quem os empresários de construção civil constroem casas enquanto dizem que para poderem construir para "portugueses" teriam de ser isentos de impostos e o governo permitir a importação maciça de escravos africanos para trabalharem ao preço da chuva, esses "pobres" estrangeiros devem ser adulados e apaparicados. Os portugueses? Que se F**am! Digam lá se a revolta surda que começa a aparecer contra os turistas estrangeiros, não tem razão de ser... Portugal é dos portugueses. Um país que é madrasto para os seus e apaparica estrangeiros, só pode encaminhar-se para um desastre de violência. E enquanto não começarem os ataques físicos contra turistas e a Okupação das propriedades deles...

Destaques V+