Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

​Centeno nega défice mascarado. “Não faço a menor ideia do que Catarina Martins se refere”

30 ago, 2019 - 21:32

Portugueses hoje sabem que "não consumimos para pagar com impostos no futuro", afirma o ministro das Finanças. Mário Centeno revela que os juros a dez anos já são inferiores aos de Espanha, admite que "a carga fiscal é elevada", mas não pode ser reduzida à custa das gerações futuras.

A+ / A-

O ministro das Finanças, Mário Centeno, nega a existência de um “défice mascarado”, com sugeriu esta semana a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

“Não faço a menor ideia do que a Catarina Martins se refere. Mas não faço mesmo”, afirmou Mário Centeno, esta sexta-feira, em entrevista à RTP3.

“Trabalhámos muito de perto ao longo da legislatura na preparação dos grandes momentos orçamentais e entre máscaras e coisas irreais posso garantir que não é algo que exista nas contas portuguesas”, assegura o ministro das Finanças.

O também presidente do Eurogrupo garante que “as contas portuguesas trouxeram a credibilidade à política económica e orçamental portuguesa no exterior, mas mais importante do que isso trouxeram e confiança aos portugueses, trabalhadores e empresas que hoje não consumimos para pagar com impostos no futuro, hoje quando atingimos equilíbrio nas contas públicas podemos garantir que não estamos a adiar pagamentos para o futuro”.

Mário Centeno defende que a provar a confiança na economia portuguesa estão: o nível de investimento, que é quase o dobro em relação aos anos da troika, "uma progressão extraordinária", diz; e o facto de, esta sexta-feira, "a taxa de juro portuguesa a dez anos ter passado, pela primeira vez, para níveis inferiores a Espanha".

"Carga fiscal é elevada e tem que ser reduzida"

O ministro das Finanças reafirma que Portugal está, atualmente, "mais preparado do que em 2008" para enfrentar uma eventual crise mundial e mantém as metas económicas para este ano, nomeadamente ao nível do défice e do crescimento.

"Não quero exorbitar otimismo, mas quero que tenhamos confiança no trajeto, mas que reconheçamos as dificuldades para uma economia muito aberta como a portuguesa."

A oposição acusa o Governo de ser responsável pela "maior carga fiscal de sempre". Nesta entrevista à RTP3, Mário Centeno reconhece que "a carga fiscal é elevada e tem que ser reduzida".

No entanto, o governante sublinha que essa redução "não pode ser feita à custa das gerações futuras. Com o Orçamento do Estado para 2019 não estamos a pôr custos adicionais nos orçamentos futuros", frisou.

Mário Centeno não promete aumentar o número de escalões na próxima legislatura, mas confirma que há 200 milhões de euros previstos para aliviar a fatura do IRS.

Questionado se vai continuar ministro das Finanças se o PS formar Governo na sequência das eleições legislativas de 6 de outubro, Mário Centeno respondeu: "isso é uma decisão que está por tomar" e não manifesta preferência sobre parceiros de coligação no caso de uma nova "Geringonça".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+