Tempo
|
A+ / A-

OE 2018. Lojas com história isentas de IMI e com outras ajudas

14 out, 2017 - 00:55

As despesas de conservação e manutenção serão consideradas em 110% no apuramento do lucro tributável.

A+ / A-

Veja também:


As lojas com história reconhecidas pelos municípios ficarão isentas de IMI e as despesas de conservação e manutenção serão consideradas em 110% no apuramento do lucro tributável, indica a proposta de lei do Orçamento do Estado para 2018.

Segundo a proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) entregue na sexta-feira pelo Governo na Assembleia da República, ficam isentos do pagamento de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) "os prédios ou parte de prédios afectos a lojas com história, reconhecidos pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social local e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social local".



Será incluído no Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) um novo incentivo às fracções autónomas afectas a lojas com história, "reconhecidas pelo município como estabelecimentos de interesse histórico e cultural ou social local e que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social".

Este novo incentivo permitirá que, "na determinação do lucro tributável dos sujeitos passivos de IRC [Imposto sobre o Rendimento Colectivo] que exerçam a título principal uma actividade comercial, industrial ou agrícola, bem como na determinação dos rendimentos empresariais e profissionais não abrangidos pelo regime simplificado dos sujeitos passivos de IRS [Imposto sobre o Rendimento Singular]", sejam "considerados em 110% do respectivo montante os gastos e perdas do período relativos a obras de conservação e manutenção das fracções autónomas afectas a lojas com história".

Na prática, isto significa que os contribuintes (sejam pessoas colectivas ou singulares) que exerçam uma actividade comercial, industrial ou agrícola num espaço que seja considerado e reconhecido como uma loja com história "podem deduzir a totalidade da despesa com obras de conservação do espaço acrescida de 10% do valor gasto”.

O documento refere que os gastos previstos no código do IRS "são considerados em 110% quando respeitem a prédios ou parte de prédios afectos a lojas com história".

"Sem prejuízo das demais obrigações acessórias aplicáveis, os documentos comprovativos dos gastos e perdas referidos nos números anteriores devem conter expressamente a morada da fracção autónoma que beneficiou das obras de manutenção e conservação, bem como os dados identificativos do sujeito passivo ao qual está afecta a fracção autónoma", acrescenta o OE2018.

O documento aponta também que relativamente à interconexão de dados entre a Autoridade Tributária e Aduaneira e a Direcção-Geral das Actividades Económicas, a informação relativa às lojas com história que integrem o inventário nacional dos estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social local será comunicada por transmissão electrónica de dados.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+