Tempo
|
A+ / A-

PEC vai descer a partir de Março

26 jan, 2017 - 14:01 • João Carlos Malta com Lusa

Costa garante que a medida, que vai abranger 122 mil empresas, conta com o apoio da maioria que sustenta o Governo.

A+ / A-
PEC vai descer a partir de Março
PEC vai descer a partir de Março

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta quinta-feira uma redução de 100 euros no Pagamento Especial por Conta (PEC) para todas as empresas sujeitas ao seu pagamento já a partir de Março e até 1 de Janeiro de 2019. O PEC desce de 850 para 750 euros.

O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros a redução progressiva do PEC para as Pequenas e Médias Empresas (PME), um dia depois do chumbo da redução da Taxa Social Única (TSU) no Parlamento. A descida da TSU paga pelos patrões sobre os salários mínimos foi a contrapartida definida em concertação social.

Segundo o primeiro-ministro, a redução do PEC vai abranger 122 mil empresas, um universo "maior do que a TSU teve no ano passado".

"O que vai ser real para as empresas é que já em Março, quando tiverem de proceder ao primeiro pagamento do ano do PEC, verão os seus encargos diminuídos fruto da aprovação na Assembleia da República da proposta de lei que o Conselho de Ministros hoje aprovou, depois de ter ouvido os parceiros sociais e depois de ter assegurado a sua aprovação na Assembleia da República", disse o chefe do Governo.

Esquerda apoia, CGTP não

O anúncio desta quinta-feita foi feito pela ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, na conferência de imprensa após a reunião semanal do Conselho de Ministros, na presença de António Costa, do ministro do Trabalho, Vieira da Silva, e do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade.

António Costa garante que esta medida conta com o apoio dos partidos que suportam a maioria de esquerda no Parlamento e que na Concertação Social foi aceite pelos parceiros, com excepção da CGTP.

"Posso garantir que esses partidos já garantiram o apoio a esta aposta. Espero que possa alargar a outros grupos parlamentares, como o CDS", sublinha.

O líder do executivo disse ainda que o montante da redução depende de empresa para empresa. Inicialmente, há uma redução de 100 euros equivalente a todas as empresas. Depois, dependerá do resultado líquido que a empresa coloca à colecta no final do ano.

"Até 1 de Janeiro de 2019 haverá uma redução do PEC para todas as empresas sujeitas ao seu pagamento, quer em 2017 quer em 2018, e essa redução terá uma componente comum de 100 euros de abatimento à colecta e de mais 12,5% do remanescente da colecta paga por cada empresa", disse Costa.

Uma vez que a redução do PEC não abrange Instituições Públicas de Solidariedade Social (IPSS) nem outras entidades sem fins lucrativos, uma vez que estas estão isentas do pagamento de IRC, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, "negociará com essas entidades medidas de apoio para que sejam devidamente compensadas este ano", concluiu António Costa.

O presidente da Confederação Nacional das Instituições Sociais (CNIS), Lino Maia, disse à Renascença que a compensação pode passar por um aumento dos apoios públicos às IPSS.

Costa rejeita "intriga"

Na quarta-feira, o PSD, o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV revogaram no Parlamento o decreto do Governo que previa uma descida temporária da TSU dos empregadores em 1,25 pontos percentuais como compensação pelo aumento do salário mínimo nacional para os 557 euros em 2017.

Na sequência do chumbo, Costa reuniu-se de imediato com as confederações patronais, com a UGT e com a CGTP – que não subscreveu o acordo de 22 de Dezembro –, tendo esta estrutura sindical mantido um encontro à parte.

Questionado sobre as consequências para Concertação Social que a polémica à volta da TSU criou, Costa defendeu que o "Governo valoriza muito" o diálogo entre parceiros sociais e "que está de boa fé." "Todos estão com esse mesmo espírito", acrescentou.

Costa disse ainda que as tentativas de "intriga política" podem preencher "o espaço mediático durante duas semanas", mas "nada contam para o dia-a-dia das pessoas".

[Notícia actualizada às 14h17]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Circo Kostov
    26 jan, 2017 Mockba 17:48
    Alguém pergunta se vamos regressar a 2011... Com o golpe de Estado em Novembro de 2015 voltamos a 2009, por isso já só falta cerca de um ano e estamos em 2011!
  • ó ze
    26 jan, 2017 lis 17:07
    de economia não percebes um "chavelho"!...confundes batatas com cebolas! Vai estudar!
  • sempre os mesmos
    26 jan, 2017 lx 17:05
    ressabiados opinadores da politica do quanto pior melhor e da intrigalhada, por aqui a caluniarem o primeiro ministro!...Os ruidosos do costume!
  • ze
    26 jan, 2017 de 16:00
    Sobe 27€ o salário minimo para os trabalhadores e desce 100€ par as empresas o PEC? Grande moeda de troca. Quem ficou mesmo a ganhar? Boa, Srs. Governantes.
  • COSTA NO CIRCO
    26 jan, 2017 Lx 15:46
    O vendedor da banha da cobra sempre a distribuir dinheiro aos patrões.Agora vem com o PEC....não havia necessidade mas este vendedor de ilusões está refém dos amigos da esquerda. Enquanto anda neste folclore político de distribuir dinheiro desta feita a quem o tem, os juros da dívida estão acima dos 4 por cento..Será que vamos regressar a 2011 com este vendedor de ilusões e artista de circo?
  • Helder
    26 jan, 2017 Peneda 15:18
    Mais uma esmola de 100 euros. É mesmo à moda dos komunas, sempre a distribuir rebuçados. Mas o povinho ainda não aprendeu que com papas e bolos se enganam os tolos??!
  • fartodisto
    26 jan, 2017 minhoto 14:36
    o custo do factor trabalho deve ser igual para todos, a taxa social única de ser igual para tudo e para todos, o seguro de acidentes de trabalho devem ser iguais para tudo e todos, são custos obrigatórios por isso as taxas devem ser iguais para todos para que não seja o estado a promover a concorrência desleal, como acontece, o salário mínimo são 557,00€ e quem é obrigado a pagar 558,00€ já não é salário mínimo, como é o caso dos serventes por um euro já tem que ter custos de mais 1,25%. este pais é tudo uma farsa manhosa, não vale a pena estar a escrever mais isto é uma vergonha e ponto final.
  • andré
    26 jan, 2017 Portugal 14:35
    O salário mínimo serve para dar poder a sindicatos e alguns partidos. E tem contribuído para manter salários mínimos. É triste. Acabem com essa porcaria.
  • COSTA DEMAGOGO
    26 jan, 2017 Lx 14:21
    O pantomineiro mor do reino sempre nas suas acrobacia circenses e entretanto os juros da dívida pública ultrapassam os 4 por cento mas está tudo bem no reino da pantomina em que se tornou Portugal com este vendedor da banha da cobra chamado Costa.

Destaques V+