Tempo
|
A+ / A-

Papa apela à defesa dos direitos dos trabalhadores

03 out, 2017 - 23:23 • Ana Carrilho

Movimentos operários católicos assinam um manifesto em que se comprometem a continuar a luar pelo trabalho digno.

A+ / A-

O Papa Francisco fez esta terça-feira um apelo à defesa da dignidade e defesa dos direitos dos trabalhadores.

Na sua intenção de oração para Outubro, divulgada esta manhã na internet e nas redes sociais, Francisco refere também que” é preciso denunciar as situações em que se violam esses direitos e ajudar no que contribua para um autêntico progresso do homem e da sociedade”.

O Papa pede orações “pelo mundo do trabalho para que todos tenham o respeito e a protecção dos seus direitos. E que aos desempregados se dê a oportunidade de contribuírem com trabalho para a construção do bem comum, afirma Francisco nesta iniciativa da Rede Mundial de Oração, ligada à Companhia de Jesus.

Este apelo à oração antecede a realização da Jornada Mundial pelo trabalho digno, que se assinala no sábado, dia 7.

Num manifesto divulgado esta terça-feira, os movimentos da Pastoral Operária (MAAC – Movimento Apostolado Adolescentes e Crianças, JOC – Juventude Operária Católica, LOC/MTC – Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos) e a Comissão Nacional Justiça e Paz afirmam renovar o compromisso de continuar a lutar pelo trabalho digno e exigem da sociedade que o defenda e promova.

Para estes movimentos, o trabalho digno deve estar na agenda política, nas agendas sociais e empresariais, nos movimentos de trabalhadores e da Igreja. A jornada vai ser celebrada em vigília de oração em vários pontos do país. O objectivo é incentivar e consciencializar as comunidades cristãs, autarquias, governo, sindicatos e organizações empresariais a colocar no centro a pessoa e a sua humanização.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Álvaro de Jesus
    04 out, 2017 Porto 03:18
    Sem ressuscitardes e defenderdes a Reencarnação, não ireis a lado algum. Nem vós, nem quem vos segue... ainda! Lamentamo-lo, profundamente. O analfabetismo espiritual que existe, denunciado por Francisco, é culpa vossa. E vós o sabeis muito bem. Não vos julgo, pois não tenho esse Direito, mas tenho o Dever de vos deixar mais este Elucidando. Que a Luz seja convosco!
  • antónio figueiredo
    04 out, 2017 Lisboa 00:09
    Está muito em moda zelar pelos direitos dos trabalhadores, o que é de louvar, mas e os direitos dos outros ? Daqueles que, por qualquer motivo, já não são trabalhadores ? Embora já o tenham sido e até dos mais escravizados ! ! !

Destaques V+