Tempo
|
A+ / A-

Lei das barrigas de aluguer transforma bebés em “objecto de transacção”

03 mai, 2016 - 19:34 • Filipe d'Avillez

Juristas Católicos lamentam que com a mudança da lei de procriação medicamente assistida passe a ser possível privar, deliberadamente, uma criança de uma figura paterna.

A+ / A-

A Associação dos Juristas Católicos opõe-se à lei da “maternidade de substituição”, conhecida popularmente como “barrigas de aluguer”, por considerar que a lei não pode consagrar uma situação em que uma criança se torna “objecto de transacção”.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, a AJC critica os dois projectos de lei que estão a ser discutidos no Parlamento ao longo destes dias, nomeadamente este da maternidade de substituição e outro que alarga a procriação medicamente assistida a mulheres solteiras.

A AJC alerta para o facto de, independentemente de ser formalmente proibido, existir um grave risco de que seja feito negócio à volta da “maternidade de substituição”, em que uma mulher se compromete a carregar um filho que depois será entregue a outra, ou a um casal.

“Com a legalização da ‘maternidade de substituição’, quer o filho, quer a mãe, são reduzidos a objecto de um contrato (seja ele oneroso ou não). O abandono da criança é não um evento inevitável que deva ser remediado através da adopção, mas uma consequência deliberadamente programada, institucionalizada pela lei, a qual veda a obrigação mais espontânea e natural que existe: a de assumir a vida que se gerou. E o direito de cuidar como filho, daquele que, ao longo de nove meses foi sendo criado no seu próprio corpo, não é um direito disponível a que, por antecipação e por via contratual, se possa renunciar.”

A ciência demonstra cada vez mais as consequências para o desenvolvimento das crianças de situações traumáticas no nascimento ou na gestação, avisam os juristas católicos, que lamentam que “a criança não poderá experimentar a segurança de reconhecer, depois do nascimento, o corpo onde habitou durante vários meses".

"A lei não pode arrogar-se o direito de lhe impor essa amputação física, psicológica e afectiva, em nome do bem-estar de um terceiro e por força de um vínculo contratual em que a criança acaba por ocupar a posição de objecto de uma transacção", defendem.

As alterações a fazer à lei da procriação medicamente assistida (PMA) também merecem a condenação dos juristas, que lamentam que seja possível, com a aprovação destas medidas, votar uma criança à orfandade de pai. “Não se trata de impor um modelo de família ou uma forma de encarar a maternidade. Trata-se de dar primazia ao bem do filho. E o bem do filho exige que ele seja fruto de uma relação, e não de um projecto individual. E exige que ele não seja intencionalmente gerado como órfão de pai.”

As leis estão actualmente no Parlamento onde se espera que sejam aprovadas pela maioria de esquerda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paula Barradas
    20 mai, 2016 Elvas 21:29
    Estou completamente de acordo. Fica por debater de forma séria e com gente séria e aprova-se de forma leviana legislação com consequências graves e em que se pensa em toda a gente menos na criança .
  • Bela
    03 mai, 2016 Coimbra 22:32
    Associação dos Juristas Católicos, ao dizerem que um filho é fruto de uma relação têm razão. Mas isso não significa que depois seja criado e educado, por quem o fez nascer. Por experiência própria, porque o pai do meu filho preferiu 'virar costas'.Concordo e acho justo que uma mulher , se quiser, possa mãe solteira de filho de pai incógnito. Uma situação do género, acreditem que evitará futuros à criança, porque deixaria de a haver conflitos paternais.

Destaques V+