Tempo
|
A+ / A-

Ofertórios deste domingo ajudam vítimas da guerra na Ucrânia

24 abr, 2016 - 10:32 • Ana Lisboa

Igreja portuguesa acolheu o apelo que o Papa Francisco lançou a todas as Igrejas católicas da Europa.

A+ / A-

Por iniciativa do Papa, em toda a Europa os peditórios das Missas deste domingo serão destinados para apoiar as graves e urgentes necessidades das vítimas da guerra na Ucrânia.

A Conferência Episcopal Portuguesa aderiu a esta iniciativa. O porta-voz da CEP, o padre Manuel Barbosa, explica que “em todas as dioceses vai ser feito esse peditório, esse ofertório ou dentro da Eucaristia deste fim-de-semana ou, porventura, sei que em algumas dioceses fazem à saída da celebração”.

Na última assembleia plenária, os bispos portugueses pediram às “comunidades cristãs” e à “sociedade em geral” que colaborem e sejam solidárias com esta causa.

Por isso, durante a celebração da missa será lembrado aos fiéis a importância de ajudarem quem sofre com a guerra na Ucrânia. O padre Manuel Barbosa admite que “haverá naturalmente uma explicação, ainda que breve, do sentido, porque é preciso que as pessoas estejam conscientes do que se passa neste país, em conflito de guerra, onde as pessoas estão a sofrer de uma maneira muito violenta”. E acrescenta que é preciso que “todos estejamos disponíveis e atentos a esta situação de solidariedade para com esses irmãos, cristãos ou não cristãos, que sofrem nesta zona de guerra”.

O conflito na Ucrânia arrasta-se desde Novembro de 2014, colocando em confronto grupos separatistas pró-russos e as forças de Kiev pelo controlo do território e já provocou cerca de 10 mil mortos e mais de um milhão de desalojados.

Francisco diz que acompanha “constantemente” em pensamento e na oração a situação do povo ucraniano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pinto
    24 abr, 2016 Custoias 18:18
    Não percebo, pedem para os outros e para os desgraçados dos seus países não pedem?

Destaques V+