Tempo
|
A+ / A-

Salvar a "casa comum". Líderes mundiais assinam acordo em Paris

22 abr, 2016 - 06:57 • Aura Miguel com redacção

Acordo deve entrar em vigor em 2020. O ambiente tem sido uma das preocupações do Papa Francisco. A Renascença recorda os principais pontos da Encíclica “Laudato Sii” – a primeira inteiramente dedicada ao tema da ecologia.

A+ / A-
A encíclica do Papa num ensaio vídeo. Francisco em defesa da Terra
A encíclica do Papa num ensaio vídeo. Francisco em defesa da Terra

É assinado esta sexta-feira, em Nova Iorque, o Acordo de Paris sobre alterações climáticas, obtido em Dezembro de 2015, depois de difíceis negociações entre 195 países e a União Europeia.

O momento vai decorrer na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), neste Dia Mundial da Terra. Presente estará o ministro português do Ambiente, juntamente com representantes de cerca de 160 Estados.

O objectivo é que o acordo entre em vigor em 2020, o que só acontecerá quando 55 Estados responsáveis por, pelo menos, 55% das emissões de gases com efeito de estufa o ratificarem. A assinatura decorre até final de Abril de 2017, seguindo-se a ratificação nacional, consoante as regras de cada país.

Uma das novidades do Acordo de Paris é a revisão, a cada cinco anos, das metas de contribuição de cada Estado para parar o aquecimento do planeta e as consequências associadas, como a maior frequência de fenómenos extremos de calor (levando as secas e a incêndios florestais) e a concentração da chuva em períodos curtos de tempo, provocando cheias, inundações e a subida do nível do mar.

A "casa comum"

As preocupações do Papa com as questões ambientais são uma constante do seu pontificado. O futuro do planeta está em risco e Francisco já falou disso várias vezes, quer ao nível das Nações Unidas quer na sua primeira Encíclica “Laudato Si” – a primeira encíclica da Igreja inteiramente dedicada ao tema da ecologia.

É urgente proteger a “casa comum” em que vivemos. A poluição, os lixos e desperdícios, as alterações climáticas e o aquecimento global causam danos tão graves, que Francisco lança um “convite a renovar o modo como construímos o futuro do planeta”.

Preocupado com o esgotamento dos recursos naturais, a Encíclica dedica vários pontos à questão da água como “direito humano essencial”, que não deve ser “transformado em mercadoria e sujeito às leis do mercado”.

O documento recorda ao mundo “a grave dívida social com os pobres que não têm acesso à água potável” e diz que a dívida se resolve “com maiores contributos económicos para fornecer água limpa e serviços de tratamento às populações mais pobres”.

Francisco considera ser necessário “pensar numa ética internacional” e afirma que “a lógica que não dá espaço às preocupações com o ambiente é a mesma que não dá espaço à integração dos fracos”.

As desigualdades são de nível planetário, por isso, a “verdadeira abordagem ecológica é sempre uma abordagem social que deve integrar a justiça nas discussões sobre o ambiente”.

Diz o Papa que as políticas só por si não bastam, é preciso mudar a mentalidade e os hábitos de consumo, é preciso diálogo e transparência, quer nos “estudos de impacto ambiental”, quer “no debate com os habitantes”.

Mas as posições do Papa não se ficam pela Encíclica. Em Setembro do ano passado, na Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, Francisco defendeu um verdadeiro “direito do ambiente” em defesa da humanidade, porque “a crise ecológica, juntamente com a destruição de grande parte da biodiversidade, pode pôr em perigo a própria existência da espécie humana”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    22 abr, 2016 Cacém 13:49
    Há dois mil anos as tragédias como as secas devastadoras, as cheias e terríveis tempestades eram provocadas pela "Cólera dos Deuses", e nesses tempos devíamos ter "juízo" e pagar ao "templo" o que sacerdotes da época pediam. Nos dias de "hoje" já avançamos muito e já sabemos Tudo sobre o Ambiente e sobre o Planeta Terra. Por exemplo, houve uns cientistas italianos que foram presos. Imaginem que as criaturas não tinham avisado as populações sobre a ocorrência de um tremor de terra!
  • joão
    22 abr, 2016 Porto 10:02
    Temos de ser mais exigentes https://www.youtube.com/watch?v=m1zL_v4T20A

Destaques V+