Tempo
|
A+ / A-

Juristas católicos criticam falta de debate sobre decretos polémicos

10 fev, 2016 - 07:32 • Ana Lisboa

A Associação dos Juristas Católicos defende que deveria ter havido um “amplo debate público” quanto às alterações à legislação sobre o aborto e no que se refere à adopção por casais do mesmo sexo, que vão voltar a ser reapreciados, esta quarta-feira, no Parlamento.

A+ / A-

A Associação dos Juristas Católicos defende que devia ter havido um debate alargado no que se refere às alterações à legislação sobre o aborto e no caso da adopção por casais do mesmo sexo.

Estes dois decretos, recorde-se, foram enviados pelo Presidente da República para reapreciação no Parlamento, o que vai acontecer esta quarta-feira.

José Lobo Moutinho, presidente desta associação católica, entende que “é plenamente justificada” a decisão de Cavaco Silva. Antes de mais, diz, “pela razão essencial que o senhor Presidente invoca, ou seja, que há aqui um défice de debate público”.

Em seu entender, “estamos em presença de temas da maior importância, de temas que dividem a sociedade portuguesa, de temas que dividem os partidos, de temas que, contra a nossa opinião, não foram objecto suficiente de debate na campanha eleitoral. E que, no entanto, foi, ao contrário do que aconteceu anteriormente, aprovadas à pressa, sem um amplo debate público, sem a Assembleia ouvir especialistas sobre a matéria, sem a Assembleia ouvir associações como a nossa e muitas outras que estão no terreno e que têm alguma coisa a dar no contributo desta decisão”.

O responsável entende que “não é por causa dos temas fracturantes serem fracturantes que se devem deixar de discutir. Isto é, em democracia, o debate cívico e político não se pode ter medo dele, tem que se promover. Portanto, eu diria até quanto mais fracturantes são os temas, mais obrigação há de os discutir, por forma a que ou possamos chegar a um consenso, ou então, mesmo que não cheguemos a um consenso, que fique claro, que as pessoas tenham oportunidade de esclarecer e de tomar posição em função das questões que estão em causa a cada momento”.

As leis eu Cavaco Silva vetou devem voltar a ser aprovadas no Parlamento e, nesse caso, o Presidente não pode voltar a vetá-las.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+