Tempo
|
A+ / A-

“Fundamentalismo religioso não é religioso, porque falta Deus”

30 nov, 2015 - 19:11 • Aura Miguel , em Roma

Francisco criticou duramente as potências que fornecem armas aos grupos terroristas. O Papa diz que “há anos que estamos em guerra, e os pedaços são cada vez maiores”.

A+ / A-
“Fundamentalismo religioso não é religioso, porque falta Deus”
“Fundamentalismo religioso não é religioso, porque falta Deus”

Veja também: Papa sobre cimeira de Paris: “É agora ou nunca!”

Veja também: Desinformação, calúnia e difamação. Os três pecados do jornalismo, segundo o Papa


O Papa afirmou esta segunda-feira que o fundamentalismo é possível em todas as religiões e que é sempre idólatra e trágico.

Falando no avião que o trouxe de volta de África, onde esteve durante seis dias a visitar o Quénia, o Uganda e a República Centro-Africana (RCA), Francisco abordou assuntos como o terrorismo e o fundamentalismo, realidades bem presentes na região onde esteve.

“O fundamentalismo é uma doença que existe em todas as religiões”, começou por afirmar. “Crêem-se portadores da verdade absoluta e avançam fazendo mal aos outros. Devemos combatê-lo. O fundamentalismo religioso, não é religioso. Porque falta Deus. É idólatra, tal como o dinheiro. É uma tragédia”, disse.

Durante estes dias passados em África, a primeira visita ao continente em toda a sua vida, especulou-se sobre se a passagem pela RCA iria sequer realizar-se, uma vez que os conflitos têm aumentado ao longo das últimas semanas.

Também o Quénia e o Uganda, onde Francisco esteve, têm sido atingidos por actos terroristas, levados a cabo sobretudo por grupos islâmicos radicais. Mas as guerras não são de Deus, insistiu o Papa.

“As guerras vêm da ambição, é um negócio. São os terroristas que fazem armas? Quem lhas dá para fazerem a guerra? Há ali toda uma rede de interesses, por detrás, há sempre o dinheiro ou o poder.”

“Há anos que estamos em guerra e os pedaços de guerra são cada vez maiores. Não sei o que pensa o Vaticano, mas o que eu penso é que as guerras são pecado: são contra a humanidade; destroem a humanidade. As guerras não são de Deus. O Deus, é Deus de paz”, afirmou Francisco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    02 dez, 2015 Lisboa - Portugal 08:09
    Como Jesus, 'o Cristo', assim fala, o Papa Francisco aos povos: "a Guerra não é de Deus", "as guerras vêm da ambição, é um negócio." " NÃO MATARÁS!" este é o 1º Mandamento, da Lei de Deus! e quem não cumpre, distancia-se de Deus: "AMARÁS O TEU PRÓXIMO, COMO A TI PRÓPRIO", este é o segundo Mandamento e há ainda mais 8 Mandamentos, que Deus quer que sejam cumpridos. Deus deu-nos 'A VIDA', temos que cumprir, respeitar a sua vontade... Aprendam a falar com Deus! é tão fácil... Os homens, ficam divididos pela política e pelas religiões! isso provoca a guerra e não é isso que Deus quer! "a Guerra não é de Deus" e o Papa Francisco, traz a mensagem, o Papa Francisco é um mensageiro da PAZ, tal como foi João Paulo II. Por isso não vejam o Papa Francisco apenas como católico, porque ele é muito mais do que isso... ele respira Humanidade, do mesmo jeito que respira a Natureza: respira a fúria do mar (o mar em guerra, destruidor) do mesmo jeito que respira (o mar em paz, sua calma) os bens que o mar nos pode oferecer! e a sua beleza! Talvez esta comparação nos faça entender qualquer coisa, que não tínhamos entendido antes! se observarmos a Natureza com muita atenção, perceberemos que nos relacionamos com Ela e que Deus está muito mais próximo, de nós...

Destaques V+