A+ / A-

Juíza inglesa manda mulher abortar contra a sua vontade

24 jun, 2019 - 12:23 • Filipe d'Avillez

A mulher em causa tem um atraso cognitivo e está grávida de 22 semanas. A sua mãe já se ofereceu para cuidar da criança, mas a juíza diz que o aborto é do superior interesse da grávida.

A+ / A-

Uma juíza inglesa ordenou que uma mulher faça um aborto, contra a sua vontade.

O caso, que está a gerar polémica no Reino Unido, aconteceu no final da semana passada e já mereceu uma posição da Conferência Episcopal da Igreja Católica de Inglaterra e País de Gales.

A mulher em causa, cuja identidade não pode ser revelada, sofre de uma deficiência cognitiva “moderadamente grave” e está grávida de 22 semanas. Na informação conhecida não se sabe em que circunstâncias é que ficou grávida, mas foi lançada uma investigação para averiguar.

O Sistema Nacional de Saúde britânico (NHS) quer que a mulher aborte, argumentando que seria traumático para ela ter o filho, mas a família opõe-se e a própria mulher, que segundo os documentos do tribunal está na casa dos 20 anos mas tem a idade mental de menina de escola primária, diz que não quer o aborto.

Nestes casos, quando há discordância entre a família e a equipa médica sobre o que é do superior interesse de uma pessoa que não tem capacidade para decidir por si, é comum os casos irem para ao tribunal.

“Um bebé a sério”

Na sua decisão a juíza reconhece que há oposição por parte da mulher e da sua mãe, que é parteira e já se ofereceu para cuidar do neto, mas considera que será demasiado traumático para a grávida fazer o parto. “Acho que ela gostaria de ter um bebé da mesma forma que gostaria de ter uma boneca”, argumenta Lieven. A assistente social que acompanha a família também se opõe ao aborto nesta situação.

Noutra passagem da decisão, a juíza deixa clara a sua posição sobre a vida intrauterina, dizendo “acho que ela sofreria maior trauma dando à luz e depois tendo o bebé retirado do seu cuidado”, pois “nessa fase já seria um bebé a sério”, diz, de acordo com vários órgãos de imprensa britânicos.

Segundo a informação disponivel o bebé em causa tem 22 semanas de gestação e há casos, embora muito raros, de bebés nascidos com menos de 22 semanas e que sobreviveram.

Nathalie Lieven tem um longo historial de casos envolvendo o aborto. Antes de ser juíza, enquanto advogada, argumentou num caso de 2011 que as mulheres deviam poder abortar em casa em vez de terem de se deslocar ao hospital, e em 2016 e 2017 argumentou que as leis sobre o aborto na Irlanda do Norte, onde a prática é ilegal, violam os direitos humanos, são discriminatórios e semelhantes a tortura.

Um advogado britânico ligado à organização Alliance Defending Freedom, que atua em casos de liberdade religiosa, comentou nas redes sociais que “em 2018 eu estava no Supremo Tribunal quando a Nathalie Lieven argumentou que o Estado não devia poder ‘obrigar’ uma mulher a levar a sua gravidez até ao fim. Agora ela é juíza e hoje surge a notícia de que ordenou que uma mulher seja obrigada a fazer um aborto contra a sua vontade”.

A própria Lieven reconhece que “é uma intrusão imensa o Estado obrigar uma mulher a interromper a gravidez, quando aparentemente não o quer fazer”, mas justifica-se dizendo que “tenho de agir no seu superior interesse”.


“Tragédia”, dizem bispos

O caso tem motivado grande indignação nas redes sociais e na imprensa britânica. Existe uma petição, lançada no domingo, que já conta com perto de 70 mil assinaturas e o bispo responsável por assuntos de saúde na Conferência Episcopal de Inglaterra e País de Gales publicou esta segunda-feira uma declaração a dizer que “cada aborto é uma tragédia. Esta tragédia é agravada” no recente caso, diz o bispo John Sherrington.

“Forçar uma mulher a abortar contra a sua vontade e a vontade da sua família próxima atenta contra os seus direitos humanos, sem falar sequer no direito à vida, numa família que se comprometeu a cuidar dele, do seu filho por nascer.”

Reconhecendo que há detalhes do caso que não são de conhecimento público, o bispo conclui dizendo que “este caso levanta sérias dúvidas sobre o significado de ‘superior interesse’ quando um paciente é mentalmente incapaz e é sujeito a uma decisão do tribunal contra a sua vontade”.

Esta é apenas mais uma polémica envolvendo diferenças de opinião entre o NHS e as famílias que acabam decididos pelo tribunal. Nos casos de Charlie Gard e Alfie Evans, embora as circunstâncias dos dois fossem diferentes, o tribunal pôs-se do lado do NHS que queria desligar as máquinas de suporte de vida das crianças, o que conduziria à sua morte, apesar da oposição dos pais. Estes foram ainda impedidos de levar as crianças para outro país para procurar outras alternativas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    26 jun, 2019 11:09
    O Estado Inglês não é "pessoa" de bem. Abortar é exterminar, silenciosamente, na barriga das próprias mães seres humanos indefesos e inocentes. É um crime contra a humanidade!