A+ / A-

Acidente mortal nos Açores. Condutor de 32 anos não tinha álcool ou drogas

15 mai, 2019 - 07:55 • Lusa com redação

Atropelamento aconteceu durante uma procissão. Padre relata ainda o “choque” vivido pelos fiéis.
A+ / A-

O condutor envolvido no acidente no concelho da Praia da Vitória, na ilha Terceira, Açores, que causou dois mortos, não apresentou álcool ou estupefacientes. Atropelamento fez dois mortos e 13 feridos.

"O condutor tem 32 anos e dos testes realizados não houve deteção de álcool ou estupefacientes", afirmou fonte da Direção Nacional da PSP, adiantando que o homem conduzia uma viatura ligeira de mercadorias.

Segundo a mesma fonte, a PSP está a investigar as circunstâncias do acidente.

O atropelamento na freguesia das Quatro Ribeiras provocou, além das duas vítimas mortais, duas mulheres de 68 e 84 anos, 13 feridos, informou o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores. As vítimas têm entre 16 e 84 anos.

Além de nove feridos encaminhados para o Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, em Angra do Heroísmo, quatro deram entrada no Centro de Saúde da Praia da Vitória. Entre os feridos contam-se oito do sexo feminino e cinco do sexo masculino, a maior parte dos quais com mais de 40 anos.

Os quatro feridos graves continuam internados, mas em "situação estável", segundo o último balanço da Proteção Civil.

A mulher de 60 anos que estava "numa situação mais delicada" foi operada ontem à noite e está nos cuidados intensivos, mas a sua situação neste momento é "estável", segundo a mesma fonte.

Fiéis em choque

Ouvido pela Renascença, o padre de Quatro Ribeiras garante que o condutor, um homem com “mais ou menos de 30 anos”, o procurou logo após o acidente.

“O condutor diz que ficou sem ver, por causa do sol que lhe bateu no rosto, diz que ficou encadeado. E depois aconteceu aquilo. Não sei até que ponto é verdade ou é mentira. Eu não fui apanhado pelo carro por sorte. Ele devia vir a mais de 70 quilómetros por hora”, explicou Carlos Cabral.

O padre de Quatro Ribeiras relata ainda o “choque” vivido pelos fiéis.

“Nós estávamos concentrados para iniciar a procissão de velas, em direção à igreja, a cerca de cinco minutos da igreja, e o que acontece é que alguém aparece pelas costas e bate em nós, dá-se um impacto enorme nas pessoas. Ficou tudo chocado. Éramos quase todos daqui, gente muito amiga, muito unida. Havia pessoas a chorar, outras a gritar", lamenta.

O acidente ocorreu às 20h29 locais (mais uma hora em Lisboa) de terça-feira, quando decorria uma procissão das velas em honra de Nossa Senhora de Fátima.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.