A+ / A-
Notícia Renascença

Investigação. Rússia envia carta rogatória a Portugal sobre Rui Pinto

27 mar, 2019 - 23:01 • Marina Pimentel, com redação

As autoridades russas pedem informações sobre um ou mais casos em investigação e em que Rui Pinto, alegado pirata informático e colaborador do Football Leaks, estará associado.
A+ / A-

Veja também:


A Procuradoria-Geral da República (PGR) recebeu uma carta rogatória das autoridades da Rússia relativa a Rui Pinto, o alegado pirata informático e colaborador do Football Leeks, apurou a Renascença junto do Ministério Público.

As autoridades russas estão a investigar um ou mais casos em que o cidadão português Rui Pinto estará associado.

Uma carta rogatória transmite um pedido de auxílio judiciário de um país ao outro, com o objetivo de possibilitar a investigação ou o julgamento de determinados factos.

Rui Pinto encontra-se detido preventivamente em Lisboa, no âmbito da investigação a acessos aos sistemas informáticos do Sporting e da Doyen Sports, depois de ter sido extraditado da Hungria.

A juíza de instrução criminal decidiu aplicar a medida de coação mais pesada ao colaborador do Football Leaks. Maria Antónia Andrade considerou que há perigo de continuação da atividade criminosa, perturbação do inquérito e de fuga.

Advogado Francisco Teixeira da Mota disse aos jornalistas que não concorda com a decisão do tribunal e vai recorrer da prisão preventiva.

De acordo com fonte judicial, Rui Pinto não se remeteu ao silêncio e decidiu colaborar com as autoridades judiciais.

O "hacker" foi detido na Hungria, ao abrigo de um mandado de captura internacional, e chegou na passada quinta-feira a Lisboa, acompanhado por elementos da Polícia Judiciária.

Na base do mandado estão acessos ilegais aos sistemas informáticos do Sporting e do fundo de investimento Doyen Sports e posterior divulgação de documentos confidenciais, como contratos de futebolistas do clube lisboeta e do então treinador Jorge Jesus, além de outros contratos celebrados entre a Doyen e vários clubes de futebol.

Rui Pinto está indiciado de seis crimes: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e outro de extorsão na forma tentada.

O colaborador do Football Leaks terá entrado, em setembro de 2015, no sistema informático da Doyen Sports, com sede em Malta, e é também suspeito de aceder ao endereço de correio eletrónico de membros do Conselho de Administração e do departamento jurídico do Sporting e, consequentemente, ao sistema informático da SAD leonina.

No período em que esteve detido na Hungria, Rui Pinto assumiu ser uma das fontes do Football Leaks, plataforma digital que tem denunciado casos de corrupção e fraude fiscal no universo do futebol, no âmbito dos quais estava a colaborar com autoridades de outros países, nomeadamente, França e Bélgica.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    30 mar, 2019 Lisboa 14:51
    Irónico: Para um País que - diz-se - elegeu o Presidente dos E.U.A. mediante desinformação, fake news e ciberataques, isto de virem pedir meças a um hacker Português, diz bem do "nosso avanço" em termos de trafulhice informática. Que tal o departamento de ciberguerra das F.A., dar emprego a este tipo?
  • FERNANDO MACHADO
    28 mar, 2019 PORTO 15:38
    QUEM DIRIA. O SENHOR PUTIN A SOLICITAR A PORTUGAL INFORMES DO INDEVIDAMENTE CHAMADO PIRATA. SOMOS OS MAIORES DA CANTAREIRA.