A+ / A-

Cardeal George Pell condenado por abusos de menores

26 fev, 2019 - 02:01 • Redação, com Reuters

Antigo conselheiro económico do Papa declarou-se inocente. Arrisca uma pena máxima de 50 anos de prisão.
A+ / A-

Veja também:


O cardeal George Pell foi considerado culpado de cinco crimes de abusos de menores por um tribunal da Austrália. O antigo conselheiro do Papa declarou-se inocente.

A decisão remonta a 11 de dezembro do ano passado após quatro semanas de julgamento, mas o veredito só foi tornado público esta terça-feira, depois de os procuradores terem deixado cair um segundo caso de alegados abusos sexuais.

O prelado, de 77 anos, declarou-se inocente das cinco acusações. À saída do tribunal, não prestou declarações, mas os seus advogados apresentaram um recurso que pode levar a uma repetição do julgamento.

O cardeal George Pell, que foi responsável pela Secretaria da Economia do Vaticano e conselheiro económico do Papa Francisco, é a mais destacada figura da Igreja Católica a ser condenada por crimes de pedofilia.

O tribunal de Melbourne condenou-o por cinco crimes de ofensa sexual contra dois rapazes de 13 anos, que pertenciam a um coro.

Os atos aconteceram há 22 anos, na sacristia da Catedral de S. Patrício, em Melbourne, onde George Pell era arcebispo.

Uma das vítimas morreu em 2014.

O cardeal arrisca um máximo de dez anos de prisão por cada um dos cinco crimes, num total de 50 anos.

“O cardeal Pell manteve sempre a sua inocência e continua a fazê-lo”, declarou o advogado Paul Galbally à saída do tribunal.

O antigo responsável pelas finanças do Vaticano deverá regressar ao tribunal na quarta-feira, dia em que começa a leitura da sentença e ficará a conhecer a pena.

A condenação do cardeal é conhecida dois dias depois da histórica Cimeira do Vaticano sobre abusos sexuais na Igreja Católica, que terminou com o Papa Francisco a declarar guerra a um flagelo que deve ser erradicado da face da Terra.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.