A+ / A-

Papa anuncia que ordenou novas investigações sobre McCarrick

06 out, 2018 - 15:37

Santa Sé reconhece que a investigação anterior não terá olhado para os factos com a exigência que hoje se impõe.
A+ / A-

O Papa Francisco pediu que fosse realizada uma nova e mais aprofundada investigação aos arquivos do Vaticano para aferir as acusações ao cardeal norte-americano Theodore McCarrick, acusado de ter cometido abusos sexuais.

A informação é avançada este sábado pela Santa Sé, depois da publicação das acusações sobre a conduta daquele arcebispo. Consciente e preocupado com a apreensão que o caso está a provocar nos fiéis, Francisco decidiu avançar para nova investigação.

“O Santo Padre dispôs integrar as informações levantadas através da investigação prévia com um ulterior estudo detalhado de toda a documentação presente nos arquivos dos dicastérios e escritórios da Santa Sé acerca do então Cardeal McCarrick, com a finalidade de apurar todos os factos relevantes, situando-os no seu contexto histórico e avaliando-os com objetividade”, lê-se no comunicado hoje emitido.

No mesmo documento, a Santa Sé reconhece que “o [anterior] exame dos factos e das circunstâncias poderiam emergir escolhas que não seriam coerentes com a linha atual para tais questões”.

Em julho, o Papa expulsou McCarrick, acusado de ter abusado sexualmente de um menino de 16 anos, do Colégio dos Cardeais (medida com poucos precedentes na história), ordenando-lhe a proibição do exercício do ministério público e a obrigação de conduzir uma vida de oração e penitência.

Usando provas escritas, o prelado italiano Carlo Maria Vigano acusou, em agosto, o Papa e um grande número de membros da Cúria Romana de terem encoberto por anos os abusos do cardeal sobre seminaristas e padres.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.