A+ / A-

Antigo núncio em Washington critica silêncio do Papa e da Cúria

28 set, 2018 - 12:48 • Aura Miguel

Um mês depois de ter acusado Francisco de encobrir os crimes sexuais cometidos pelo cardeal McCarrick, entretanto afastado, o cardeal Carlo Maria Viganó critica o silêncio do Papa, a quem volta a exigir esclarecimentos, tal como à Secretaria de Estado do Vaticano.
A+ / A-

O antigo núncio em Washington, Carlo Maria Viganó, voltou, esta sexta-feira, a visar o Papa, com uma nova carta na qual recorda que, um mês depois das acusações de encobrimento dos crimes sexuais cometidos pelo cardeal McCarrick, continua o silêncio e a falta de esclarecimento por parte de Francisco dos responsáveis da Cúria.

Na carta, que está a ser veiculada em vários blogues de tendência conservadora, o arcebispo Viganò diz que “quem cala consente”, porque, se o Papa ou a Cúria quisessem negar as suas acusações, teriam “fornecido documentos que provassem essa negação” e não o fizeram.

O cardeal-diplomata argumenta que o Papa conhece, desde 23 de Junho de 2013, os crimes do cardeal McCarrick mas que, “em vez de tomar providências”, chamou o cardeal para colaborar no governo da Igreja, nos EUA, na Cúria e até na China”.

Viganò pede transparência, porque “os fiéis têm direito de saber o que se passa”.

Acusado por ter quebrado o segredo pontifício, o diplomata da Santa Sé diz que “a finalidade do segredo é proteger a Igreja dos seus inimigos e não encobrir e ser cúmplice dos crimes cometidos por alguns dos seus membros” e cita o Catecismo da Igreja Católica para responder que “só o segredo sacramental poderia justificar o meu silêncio”.

Na última reunião do C-9, realizada há duas semanas, os cardeais conselheiros do Papa prometerem esclarecimentos sobre o assunto para breve, mas, até agora, nada foi divulgado. No regresso da visita aos países bálticos, Francisco recusou responder a uma pergunta sobre esta questão, durante a conversa com os jornalistas que seguiam a bordo do avião papal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sasuke Costa
    28 set, 2018 22:01
    Que maior prova lhe pode ser dada que lhe quer bem?