Tempo
|

Sindicato dos Jornalistas repudia despedimentos na Controlinveste

12 jun, 2014

Jornalistas de vários órgãos de comunicação social concentram-se esta quinta-feira, frente ao edifício do Diário de Notícias, em Lisboa, em solidariedade com os trabalhadores que têm o posto de trabalho em risco.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) repudia o despedimento de 160 trabalhadores do grupo Constrolinveste, 64 dos quais profissionais da comunicação social.

O despedimento colectivo foi anunciado esta quarta-feira e inclui o Diário de Notícias, Jornal de Notícias e a rádio TSF.

O SJ reafirma a convicção de que os despedimentos não devem nem podem ser a única solução das administrações para resolver as dificuldades económicas.

Em declarações à Renascença, Alfredo Maia, presidente do Sindicato dos Jornalistas, diz que o assunto não está fechado e espera que ainda seja possível travar o processo de despedimentos.

“Da comunicação da intenção à decisão de despedir vai um passo muito grande e o que nós esperamos é que esse passo não se concretize e esse passo consiste numa fase de informações e de negociações, que tem que decorrer nos termos da lei, sob pena da sua nulidade”, sublinha.

O despedimento colectivo na Constrolinveste é um dos maiores numa empresa de comunicação social. O grupo emitiu um comunicado onde alega a evolução negativa do mercado dos media e a acentuada quebra de receitas do sector que, na opinião da empresa, justificam uma redução de custos para garantir a sustentabilidade do negócio.

Jornalistas unidos em protesto
Jornalistas de vários órgãos de comunicação social concentram-se esta quinta-feira, pelas 13h00, frente ao edifício do Diário de Notícias, em Lisboa, para protestar contra o despedimento colectivo no grupo Constrolinveste e em solidariedade com os trabalhadores que têm o posto de trabalho em risco.  
 
Sofia Lorena, do jornal Público, disse à agência Lusa que a iniciativa surgiu de conversas entre jornalistas de vários órgãos de comunicação social.

A concentração deve contar com a presença de trabalhadores da Controlinveste, que aproveitarão a pausa de almoço para se juntarem. 
 
A Comissão de Trabalhadores da agência Lusa também vai associar-se à acção e, em comunicado, apelou aos trabalhadores da agência para se juntarem ao protesto.