Tempo
|

Guilherme d'Oliveira Martins

Vasco Graça Moura, um grande amigo

27 abr, 2014

Foi um escritor de todos os ofícios e sempre com elevadíssima qualidade e sensibilidade, capaz de abranger de um modo amplo e compreensivo.

Vasco Graça Moura, um grande amigo
Vasco Graça Moura foi incansável na defesa da cultura portuguesa. Sou testemunha do seu trabalho constante. Tinha qualidades de trabalho extraordinárias, únicas e punha-as ao serviço do seu enorme talento. Aproveitava todos os momentos para dar-se à criação de poeta, de ensaísta, de escritor.
 
É um grande amigo que perco, que conheço há cerca de quarenta anos e com quem tive sempre uma relação de admiração e estima pessoal. Membro activo do Centro Nacional de Cultura deixa-nos um lugar insubstituível. Sempre nos encontrámos numa ligação muito próxima e de confiança mútua. É uma das grandes referências da cultura portuguesa contemporânea. O Vasco era de uma inteligência viva, acutilante, claríssima e determinada. Não podemos esquecer o poeta e o ensaísta dotadíssimos.
 
Foi um escritor de todos os ofícios e sempre com elevadíssima qualidade e sensibilidade, capaz de abranger de um modo amplo e compreensivo, a identidade portuguesa e a sua ligação universal desde os clássicos aos modernos. O recente ensaio sobre as identidades europeia e portuguesa é de uma grande lucidez e pertinência, devendo constituir um motivo sério e obrigatório de reflexão. Tivémos oportunidade de debater o tema e concordo plenamente com as suas preocupações e conclusões.
 
Era um humanista dos tempos de hoje - frontal, corajoso, empenhado. Eduardo Lourenço teve razão em referir que a sua poesia é fiel à melhor herança do nosso épico. Não podemos compreender a leitura moderna de Camões sem o contributo de Vasco Graça Moura - daí que a sua versão fidelíssima de «Os Lusíadas» para os jovens seja fundamental quer nos domínios cultural e literário, quer pedagogicamente.
 
Como tradutor, basta lembrarmo-nos de «A Divina Comédia» de Dante e de toda uma obra inultrapassável. Os maiores especialistas do grande poeta florentino são unanimes em reconhecer a fidelidade de Vasco ao sentido fundamental dessa obra prima da literatura mundial. Poucos portugueses atingiram esse nível de respeito geral na defesa das Humanidades. Foi, nesse sentido, um espírito do Renascimento nos nossos dias - e nunca o esqueceremos por isso. E não esqueço a passagem relevantíssima na Televisão, na Imprensa Nacional, na Comissão dos Descobrimentos, no Parlamento Europeu, no Centro Cultural de Belém. Não há palavras neste momento. Apenas o silêncio de uma sentida homenagem a um dos nomes maiores da cultura portuguesa.