Tempo
|

Papa sublinha a importância do silêncio

09 out, 2011

O Santo Padre visitou os irmãos da comunidade da Cartuxa, da serra de São Bruno.

Bento XVI em visita pastoral à Calábria, em Itália, visitou a comunidade contemplativa da Cartuxa, da Serra de São Bruno, onde sublinhou a importância do silêncio, de que o Homem Moderno parece ter cada vez mais receio.

“Cada vez mais, mesmo sem se aperceberem, as pessoas vivem num mundo virtual, por causa das mensagens audiovisuais que acompanham a sua vida de manhã à noite. Os mais jovens, que nasceram já nesta condição, parecem querer encher de música e imagens todos os momentos vazios, como se tivessem medo de ouvir justamente esse vazio. Trata-se de uma tendência que sempre existiu especialmente entre os jovens e nos contextos urbanos mais desenvolvidos mas hoje essa realidade alcançou um nível tal que se pode falar de mutação antropológica”, disse.

O Papa acrescentou que “há pessoas que já não são capazes de permanecer muito tempo em silêncio e em solidão. Quis falar desta condição socio-cultural porque ela põe em destaque o carisma específico da Cartuxa como um dom precioso para a igreja e para o mundo, um dom que contém uma mensagem profunda para a nossa vida e para a humanidade inteira”.

O Sumo Pontífice deixou ainda uma palavra especial aos irmãos da Cartuxa: “Por vezes, aos olhos do mundo, parece impossível permanecer toda a vida num mosteiro, mas na realidade é preciso toda uma vida para entrar nesta união com Deus, na realidade essencial e profunda que é Jesus Cristo. Por isso vim aqui hoje -  queridos irmãos da comunidade da Cartuxa da serra de São Bruno -  para vos dizer que a igreja precisa de vós, que vós precisais da igreja. O vosso lugar não é marginal, nenhuma vocação é marginal no povo de Deus: somos um só corpo em que cada membro é importante e tem a mesma dignidade e é inseparável do todo. Também vós, que viveis num voluntário isolamento, estais de facto no coração da Igreja, e fazeis correr nas suas veias o sangue puro da contemplação e do amor de Deus”.