Tempo
|

Quem mais perdeu com o GES? Reformados de perfil conservador

19 fev, 2015

A revelação foi feita pela Associação de Defesa dos Clientes Bancários Lesados no Parlamento durante a comissão parlamentar ao BES/GES. A maioria dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo representados por esta associação são reformados com um perfil conservador. Em média cada lesado investiu 140 mil euros.

O presidente da Associação de Defesa dos Clientes Bancários Lesados, Ricardo Ângelo, garantiu esta quinta-feira no Parlamento que entre 60 e 70% dos investidores em papel comercial do GES desta associação que aderiram à entidade são reformados, com um perfil conservador.

"Entre 60% e 70% dos nossos associados são reformados. Eles foram ao elo mais fraco", acusou esta quinta-feira o responsável durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES, citado pela Lusa.

Ricardo Ângelo reforçou que os gestores de conta do BES, que comercializaram papel comercial das empresas do Grupo Espírito Santo (GES) aos balcões dos bancos, focaram-se nas "pessoas que sempre tiveram produtos conservadores e que têm uma baixa literacia financeira".

E ilustrou: "90% transitou do fundo Espírito Santo Liquidez e de depósitos a prazo".

O líder da associação de lesados garantiu que ainda"há pessoas que não conseguem entender como é que se foram meter numa alhada destas, porque sempre tiveram produtos sem risco".

 Questionado pelos deputados sobre o perfil dos associados da entidade que lidera, Ricardo Ângelo referiu que "o investimento mínimo [neste tipo de produtos] é de 50 mil euros" e que a média de investimento dos seus associados é de 140 mil euros.

O responsável afirmou que, de acordo com os dados que detém, o cliente que mais investiu em papel comercial aplicou 600 mil euros.

"Nesta segunda-feira, foi um descalabro. Juntaram-se 80 pessoas" à associação que representa, sublinhou, justificando esta grande afluência com as declarações recentes do Banco de Portugal e do Novo Banco.

Nesta associação estão representados cerca de 500 dos 2.500 clientes do BES lesados no papel comercial do GES.

"São a franja mais baixa", garantiu Ricardo Ângelo, apontando o dedo à atuação do Banco de Portugal e do Novo Banco neste problema específico. "Pensam apenas na venda do banco, não pensam no dinheiro das pessoas", acusou.

O responsável concluiu a sua audição no Parlamento com a seguinte declaração: "O interesse nacional é dos cidadãos, não é da banca".