Tempo
|

Uma ilustração de adeus a Sepúlveda. “Fiquei ligado a ele a um nível difícil de pôr em palavras”

17 abr, 2020 - 14:42 • Maria João Costa

Paulo Galindro ilustrou vários livros de Luis Sepúlveda. A morte do escritor foi para si, “um murro no estômago”. Desafiado pela Renascença, usou a sua “boia de salvação”, a arte, para dizer adeus ao amigo.

A+ / A-
Desafiado pela Renascença, Paulo Galindro fez esta ilustração para homenagear Luis Sepúlveda, um dia depois da sua morte

“A morte dele foi um murro no estômago, para mim”, diz Paulo Galindro à Renascença.

O ilustrador português é autor das ilustrações de quatro livros de Luis Sepúlveda. Esta quinta-feira, perdeu um amigo. Galindro acredita que “a arte salva-nos” e diz que “nestes tempos de confinamento e clausura, esse aforismo” tem sido a sua “boia de salvação”.

Depois da notícia da morte do escritor chileno com quem trabalhou nos últimos anos, Paulo Galindro foi desafiado pela Renascença para ilustrar uma última despedida ao autor de “História de um Caracol que Descobriu a Importância da Lentidão”.

Uma ilustração de adeus a Sepúlveda.“Fiquei ligado a ele a um nível difícil de pôr em palavras"
Veja o processo de criação da ilustração de homenagem de Paulo Galindro ao amigo Sepúlveda

O artista explica que para si “foi muito bom fazer este trabalho”, acrescenta mesmo que “foi apaziguador”. Paulo Galindro que ilustrou, entre outros, o livro “História de uma baleia branca” explica: “como ilustrador estou, de certo modo, habituado a olhar um pouco para alma de quem escreve, e nesse processo, mostro também a minha alma ao autor, e a todos aqueles que irão ler os livros”.

Galindro, que ilustrou outro livro de fábulas como “História de um Gato e de um Rato que se Tornaram Amigos”, refere-se a Sepúlveda como “um escritor visceral”, com “livros complexos”. Nas muitas ilustrações que criou, “sem filtros”, há como dizem as suas palavras “uma carga emocional e humana muito grande”.

“Fiquei ligado a ele a um nível difícil de pôr em palavras. Foi por isso que decidi ilustrar… uma imagem vale mil palavras, dizem”, afirma Paulo Galindro, que partilha também com a Renascença o vídeo onde revela a criação da ilustração para Sepúlveda.

A ilustração foi criada por Paulo Galindro, “sobre uma placa de madeira”. Assim, explica o ilustrador no testemunho que nos enviou, poderá “oferecer a ilustração” a Carmen Yañez, a mulher de Luis Sepúlveda.

No desenho, o autor “aparece muito mais novo”, indica Galindro, que ressalva: “não sou retratista, nem pretendo ser, mas imaginei-o mais novo, com a idade da personagem do livro “História de um Cão Chamado Leal", uma obra também ilustrada por si.

Na imagem, Sepúlveda aparece vestido “com o traje do chefe da comunidade Mapuche, também conhecido como Longko, símbolo da tradição desse povo indígena do centro-sul do Chile e do sudoeste da Argentina”.

Galindro explica: “essa sempre foi uma cultura muito querida para ele, por muitas, muitas razões, mas muito especialmente por terem sido vítimas de constantes perseguições ao longo da história do Chile. A ligação é tão forte, que dois dos livros que ilustrei têm, como pano de fundo, os Mapuche”. São eles “História de uma Baleia Branca” e a “História de um Cão Chamado Leal” .

Paulo Galindro não tem dúvidas – “Sei que ele gostaria muito de se ver representado assim”. Nas palavras que enviou à Renascença, termina, usando a língua espanhola para se despedir do amigo Luis Sepúlveda. “Hasta siempre, amigo Lucho… Descansa en Paz”.

Um escritor dedicado "às histórias dos pequenos e derrotados". Luis Sepúlveda morre aos 70 anos
Um escritor dedicado "às histórias dos pequenos e derrotados". Luis Sepúlveda morre aos 70 anos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • iqwerjoqwr
    23 abr, 2020 10:34
    Se não fosse comuna não era notivcia na renascença.

Destaques V+